Cuspe

Já registrei aqui, mas sinto obrigação em voltar ao tema: odeio mulheres que cospem/ escarram nas ruas. Ontem vi uma menina, bonitinha por sinal, cuspindo. Da primeira vez pensei que tivesse sido um engano. Mas não, ela cuspiu de novo. Não restou a menor dúvida: ela era nojenta. Pior, estava abraçadinha ao namorado. Na boa, que cara é este que fica com mulher que escarra na rua?

To aqui, cheia de catarro, gripada. Mas esta porra vai ter que sair pela urina ou fezes. Jamais vou cuspir. Ah, diriam alguns, e se vier na boca? Eu engulo novamente. Sou limpinha e educada !

Anúncios

Releases….

…. já que estou escrevendo sobre trabalho (algo que ue tinha determinado que não falaria)… tenho que citar que o número de releases bizarros que recebo é enorme. Olha o título deste: “Cemitério de cães e gatos espera centenas de visitantes no Dia de Finados. Instituto Jorge Vaitsmanpossui cerca de 3.700 sepulturas para animais”

Sensacional !!!! Merece uma matéria. Quem são estas pessoas que vão até o cemitério colocar flores para cães e gatos? Na boa, sempre tive cachorros, a vida toda. Amava minhas cadelinhas de paixão. Já voltei de Búzios por causa de um problema com uma delas, larguei a picanha na brasa e tudo. Elas sempre dormiram na cama comigo, ficavam comigo no sofá, umas fofas. Mas, ok, contra minha vontade, elas morreram. Que descansem em paz.

Aliás, eu sou contra esta história de ir a cemitérios visitar mortos. Respeito quem o faça, mas não me chame. Nada contra o cemitério, mas morreu acabou né. Aquilo ali é só carne em decomposição.

Diversão

A vida de repórti é mesmo divertida. Hj recebi um release sobre a atuação da Guarda Municipal durante a temporada de navios que começa hoje. Repare na pérola:

“… a Operação Transatlântico 2007 – esquema especial para atender turistas que visitam a cidade durante a temporada de transatlânticos. Este é o oitavo ano consecutivo da ação, que emprega quatro guardas – o dobro do utilizado em 2006 – do Grupamento de Apoio ao Turista (GAT) no patrulhamento do Píer Mauá”

sacou?? Os caras estão divulgando que terão 4 GM na área. Nossa !!! Me sinto bem mais segura agora ahahaha caraca, pq isso? Era melhor não dar o número, dizer só que reforçou o policiamento. Quatro GM é piada, não?

Notícias que…

…. vão mudar o mundo. Está na Folha on line. Repare: o melhor é que o repórter apurou com a CET-Rio ocorrências com cachorros. É muito divertido ser repórti. Leia ahahahaah:

Carro atropela e mata cachorro de Susana Vieira no Rio

A atriz Susana Vieira sofreu uma perda nesta segunda-feira. Em um passeio com seu marido, Marcelo Silva, o cachorro que o casal levava se soltou da coleira e acabou atropelado em rua da praia da Barra, no Rio.

Heitor, o pastor alemão da atriz, não resistiu aos ferimentos e morreu. Marcelo soltou a coleira após ser mordido na mão e na perna. O marido da atriz foi levado à emergência do hospital Barra D’Or.

A assessoria de imprensa disse não comentar a vida pessoal da atriz e se recusou a dar detalhes sobre a informação.

A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), do Rio, informou que não registrou nenhum acidente na Barra da Tijuca, mas também disse que não registra ocorrências com cachorros. (Pq será??? ahaha)

laranja parte 2

Recebi agora o mail da tal amiga. Ela esclarece que tb comprou a calcinha laranja, mas… ainda não usou. Como assim?? Tá perdendo tempo amiga. Tem que usar! rs. Aliás, como uma pessoa compra uma parada há 2 meses e não usa?? caraca !! não imagino esta situação. Tudo que compro/ ganho uso, imediatamente. Nunca fui do tipo de pessoa que consegue comprar uma roupa em outubro pra usar no Natal. Se compro antes, uso antes.

Para o meu niver, por exemplo, em agosto eu comprei duas blusas. Queria ter opção, usar uma no dia da festa e outra no dia do niver. Claro que usei as duas antes e fiz novas aquisições. Sem culpa! Muito mais divertido !

Imensurável..

.. a gente pode contar quantos anos temos, quantos quilos, quantas pintas pelo corpo e até mesmo quantas vezes choramos por amor. Mas algumas coisas são imensuráveis. Não dá para dizer, por exemplo, como eu estava feliz na manhã de domingo. Em paz, plena, serena. Isso é incalculável, incomensurável. Só sei dizer que estava satisfeita e isso é tudo o que tenho a declarar!

Bazar

Fim de semana uma amiga veio reclamar da quantidade de coisas que ela tem em casa. Não bagulhos dela, mas de outros. De carinhas com quem ela se relacionou nos últimos dois anos. São camisas, meias, escovas de dente e até um terno. Minha sugestão foi simples: faça um bazar. Não seria o máximo doar aos pobres a grana arrecadada com uma camisa lilás que um dos carinhas comprou na Zara? Isso é que vai ser caridade. Limpar os armários e ajudar aos pobres.

Sobre a laranja….

…. estou gripada, isso é fato, mas longe de mim ficar aqui recomendando vitamina C. A laranja da qual vou falar é … uma calcinha. Isso mesmo. Acho que tenho uma calcinha da sorte e ela é laranja. Comprei há uns 2 meses nas Lojas Americanas com uma amiga. Não lembro se ela comprou uma igual, lembro apenas que pensou no caso. Bem… a verdade é que todas as vezes que uso a tal calcinha acontece algo bacana (entenda homem bacana, noite legal). Tem sido assim nos últimos dois meses. Na dúvida, se vc não souber o que me dar no Natal, lá vai a dica: calcinha laranja!!!!!!

Sobre o comentário…

…. que o leitor Ronaldo deixou no blog. Diz ele que “e se vc acordar com vontade de falar com alguém, vc pode falar sozinho. Ou quando quer chegar em casa e encontrar alguém, com quem tem cumplicidade extrema, pra contar seu dia… vc pode… contar no Blog!”

Não sei qual era a real intenção dele ao escrever isso pra mim. Talvez, por não me conhecer, ele pense que sou do tipo só, sem amigos, sem namoradinhos, sem nada. Deve pensar que chego em casa, ligo o computador e passo as madrugadas na internet. Ledo engano.

Há uns 3 meses decidi não usar mais o computador de casa. E o motivo é simples: já passo 12 h (ou mais) em frente a um computador, não preciso ficar na internet em casa, nas horas de lazer.

Morar só é muito bom, como já escrevi antes, mas morar com alguém que a gente ama não tem preço ! É bem melhor. Estar na companhia de amigos, ir ao cinema, teatro, bar.. é maravilhoso. Sempre tenho com quem falar, sempre que quero. Tenho este poder de escolha. E o blog, quem me conhece sabe, não é utilizado para descarregar frustações, solidão.. nada disso.. é apenas diversão. Penso pra caralho e sinto necessidade de escrever. Pq? Pouco importa.

Faço apenas o que tenho vontade. Aliás, há uns 7 anos, eu tinha outro blog, muito bem visitado, polêmico e tal. Desisti dele a pedido de um namorado. Me arrependi. Aliás, jamais vou largar nada do que gosto por causa de outra pessoa (talvez por um filho). Continue lendo, continue escrevendo, mas não conclua nada sobre minha personalidade, meu jeito de pensar e ser, baseado na superficialidade de umas poucas linhas.

PA, vc tem um?

E aí, vc tem um PA? Bem, se não sabe o que é isso provavelmente a resposta é negativa. Vamos lá. PA nada mais é que Pau Amigo. Quem não tem, precisa ter. Foi o que eu e uma amiga concluímos hoje, em conversa por msn.

É bom saber que no aperto a gente tem alguém para ligar e dar aquela aliviada, sem contar que ter um PA tira aquela pressão de ir pra night e ter que “pegar” alguém. O que vier é lucro, sem pressão as coisas ficam mais fáceis. Vc consegue se divertir à vontade, pode ficar conversando com as amigas sem ter que olhar pra todos os lados. Eu recomendo. Ela também.

Só…

…. Morar só é muito bom. A gente chega em casa a hora que quer e ninguém reclama. A gente acorda sem vontade de falar e não precisa abrir a boca. A gente pode receber quem quiser, a hora que for e tal… mas tem lá suas implicações.

No meu caso, os maiores problemas foram: nas duas vezes em que apareceram baratas. Por sorte eu não estava sozinha e elas foram devidamente exterminadas. Também tive dificuldades para montar um móvel que comprei na Tok Stok, mas um amigo quebrou este galho. Enfim, acho que me viro relativamente bem.

Já uma amiga… bem. Lembro até hoje do dia em que ela me ligou pra dizer que estava entrevada na cama, que tinha dado um jeito na coluna e não conseguia se mexer. Fiquei preocupada. Pensei em ir para lá, mas ela nem conseguia levantar para abrir a porta. O jeito for dormir e tocer pra acordar melhor. Deu certo.

Outro dia, esta mesma amiga me liga. Estava com um super problema. Tinha que ir a um casamento, mas não conseguia abotoar a roupa. Estava só. Roupa fina, sabe como é, impossível dar aquele jeitinho, se contorcer e fechar. Ela foi até a portaria, mas não tinha nenhuma mulher. Foda. Minha sugestão foi: Vá assim mesmo, qdo chegar lá, peça a uma amiga. Foi o que ela fez, mas é chato, constrangedor. E, pior, ela disse uma verdade “Estou toda bonita e não tem ninguém pra elogiar”. Isso sim é problema, não?

Vou babar….

…. mais um pouquinho. Esta noite minha sobrinha dormiu lá em casa. Uma graça. Na cama, ao meu lado, parecia um anjinho. Dormiu a noite toda, deu até pena de acordar pela manhã. Durante a madrugada eu levantei pra trocar a fralda e ela nem se moveu. Uma fofa !!!

Babona parte 2

Sim, vou falar mais de Giovanna. Ela agora tá com a bela mania de colocar o meu nome em todas as suas bonecas. Desde muito pequena minha irmã estimulava que ela colocasse nomes em bonecas. Minha irmã quase sempre escolhia.

De um tempo pra cá, minha sobrinha/afilhada maravilhosa decidiu chamar as bonecas de Renata. Tem prova de amor maior que esta? Ela passa os dias brincando comigo… mesmo que na imaginação dela.

Babona parte 1

Sim, vou dar uma de babona hoje. Minha sobrinha, além de linda, é fofa, foda e meu xodó. Ontem ela foi lá pra casa. Já tava com sono, mas quis ir mesmo assim. Sentamos no sofá e ela pediu para ver o DVD do último show da Madonna, olha que graça.

Ela ficava dançando sentada, cantando (mesmo sem saber falar inglês, mesmo com o péssimo português). Isso mesmo, cantando, abrindo a boca. Quando Madonna saiu de um globo de espelhos ela falou: “O ovo, o ovo”. Sim, ela acha que Madonna saiu de um ovo, não é uma fofa?

Depois, qdo minha irmã foi buscá-la, ela quis dançar. Ficou de mãos dadas com a gente, dançando, rebolando. Uma coisa linda!!!! Claro que mandei ela levar o DVD pra casa. Aposto que ela vai passar a tarde toda dançando.

Eu não quero ter um milhão de amigos…

Imposível ler esta crônica de Rubem Alves e não se identificar. É simplesmente maravilhosa, perfeita, completa. Pode-se descordar disto ou daquilo. Mas, no geral, … confira

“Se eu tiver apenas um ano a mais de vida… Faz cinco anos que um grupo de amigos se reúne comigo para ler poesia. Para que ler poesia? Para a gente ficar mais tranquilo e mais bonito. Mas não meentendam mal. Já observaram os urubus – como eles voam em meio à ventania? Eles nem batem as asas. Apenas deixam-se levar, flutuam. Esse jeito de ser chama-se sabedoria.

A poesia nos torna mais sábios, retirando-nos dotorvelinho agitado com que a confusão da vida nos perturba. Drummond, escrevendo sobre a Cecília Meireles, disse: “Não me parecia criatura inquestionavelmente real; por mais que aferisse os traços de sua presençaentre nós, marcada por gestos de cortesia e sociabilidade, restava-me a impressão de que ela não estava onde nós a víamos. Por onde erraria a verdadeira Cecília, que, respondendo à indagação de um curioso, admitiu serseu principal defeito ‘uma certa ausência do mundo’?Do mundo como teatro, em que cada espectador se sente impelido a tomar parte frenética no espetáculo, sim; mas não, porém, do mundo das essências, em que a vida émais intensa porque se desenvolve em um estado puro, sem atritos, liberta das contradições da existência”.Pois é isso que a poesia faz: ela nos convida a andar pelos caminhos da nossa própria verdade, os caminhos onde mora o essencial. Se as pessoassoubessem ler poesia é certo que os terapeutas teriam menos trabalho e talvez suas terapias se transformassem em concertos de poesia!

Pois aconteceu que, numa dessas reuniões, quando líamos trechos da Agenda 2001 – Carpe Diem, encontramos, no dia 2 de fevereiro, essa afirmação de Gandhi: “Eu nunca acreditei que a sobrevivência fosse um valor último. A vida, para ser bela, deve estar cercada de vontade, de bondade e de liberdade. Essas são coisas pelas quais vale a pena morrer.”

Essas palavras provocaram um silêncio meditativo, até que um dos membros do grupo, que se chama “Canoeiros”, sugeriu que fizéssemos um exercício espiritual. Um joguinho de “faz-de-conta”. Vamos fazer de conta de sabemos que temos apenas um ano mais de vida. Como é que viveremos, sabendo que o tempo é curto, tempus fugit”? A consciência da morte nos dá uma maravilhosa lucidez.

D. Juan, o bruxo do livro “Viagem a Ixtlan”, advertia o seu discípulo: “Essa bem pode ser a sua última batalha sobre a terra”. Sim, bem pode ser. Somente os tolos pensam de outra forma. E se ela pode ser a última batalha, ela deve ser uma batalha que valha a pena. E, com isso, nos libertamos de uma infinidade de coisas tolas e mesquinha que permitimos se aninhem em nossos pensamentos e coração. Resta então a pergunta: “O que é o essencial?”

Um conhecido meu, místico e teólogo da Igreja Ortodoxa Russa (seu livro – maravilhoso – “Para a vida do mundo”, está sendo traduzido e em breve será publicado pela Paulus), ao saber que tinha um câncer no cérebro e que lhe restavam não mais que seis meses de vida, chegou à sua esposa e lhe disse: “Inicia-se aqui a liturgia final”. E, com isso, começou uma vida nova. As etiquetas sociais não mais faziam sentido. Passou a receber somente as pessoas que desejava receber, os amigos, com quem podia compartilhar seus sentimentos. Eliot se refere a um tempo em que ficamos livres da compulsão prática – fazer, fazer, fazer. Não havia mais nada a fazer. Era hora de se entregar inteiramente ao deleite da vida: ver os cenários que ele amava, ouvir as músicas que lhe davam prazer, ler os textos antigos que o haviam alimentado.

O fato é que, sem que o saibamos, todos nós estamos enfermos de morte e é preciso viver a vida com sabedoria para que ela, a vida, não seja estragada pela loucura que nos cerca. Lembrei-me das palavras de Walt Whitman: “Quem anda duzentos metros sem vontade, anda seguindo o próprio funeral, vestindo a própria mortalha…” Pensei então nas minhas longas caminhadas pelo meu próprio funeral, fazendo aquilo que não desejo fazer, fazendo porque outros desejam que eu faça. “Sou o intervalo entre o meu desejo e aquilo que os desejos dos outros fizeram de mim” – Álvaro de Campos.

Sou esse intervalo, esse vazio – de um lado o meu desejo (onde foi que o perdi?); do outro lado o desejo dos outros que esperam coisas de mim. Não, não são os inimigos que me impõem o intervalo. Inimigos – não lhes dou a menor importância. Os desejos que me pegam são os desejos das pessoas que amo – anzóis na carne.

Como tenho raiva do Antoine de Saint Exupéri – “tornamo-nos eternamente responsáveis por aqueles que cativamos…” Mas isso não é terrível? Ser reponsável por tanta gente? Cristo, por amar demais, terminou na cruz. Embora não saibamos, o amor também mata. Então, abandonar o amor? Não. Mas é preciso escolher. Porque o tempo foge. Não há tempo para tudo. Não poderei escutar todas as músicas que desejo, não poderei ler todos os livros que desejo, não poderei abraçar todas as pessoas que desejo. É necessário aprender a arte de “abrir mão” – a fim de nos dedicarmos àquilo que é essencial.

Aí eu comecei a pensar nas coisas que amo e que abandonei – vejam só: nesse preciso momento me dei conta de que, por causa dessa crônica não liguei a fonte que faz um barulhinho de água e nem pus nenhuma música no meu tocador de CDs, a pressa era demais, a obrigação era mais forte. Tudo bem agora, a fonte faz o seu barulhinho e o Arthur Moreira Lima toca minha sonata favorita de Mozart, em lá maior KV 331 – coisas que amo e abandonei.

Eu, mau leitor de poesia! Poesia lida e não vivida! Não levei a sério o dito pelo Fernando Pessoa: “Ai, que prazer não cumprir um dever. Ter um livro para ler e não o fazer! Grande é a poesia, a bondade e as danças… Mas o melhor do mundo são as crianças…”

Sempre fui louco por jardins. Uns acham que eu não acredito nem Deus. Como não acreditar em Deus se há jardins? Um jardim é a face visível de Deus. E essa face me basta. Não tenho necessidade de ir olhar atrás das estrelas… Escrevi inúmeros textos sobre jardins. Num jardim estou no paraíso. Mas, que foi que fiz com o meu jardim? Abandonei.

A caixa das abelhinhas apodreceu, caiu a tampa e eu não fiz nada. Cresceu o mato eu eu não fiz nada. Da fonte tirei os peixes, coitados… De lugar de prazer, onde se assentar em abençoada vadiação contemplativa, meu jardim virou um lugar de passagem. Abandonei o meu amigo, por causa do dever. Para o inferno com o dever! Vou mesmo é cuidar do meu jardim. Por prazer meu. E pela alegria das minhas netas. Vou reformar a fonte, vou fazer um balanço (que os paulistas insistem em chamar de balança…), vou reformar o gramado, vou refazer a casa das abelhinhas, vou fazer uma cobertura para as orquídeas.

E mais, vou fazer uma casinha de bruxa”, cheia de brinquedos, para as minhas netas, a Mariana, a Camila, a Ana Carolina, a Rafaela e a Bruna… Quero brincar com elas. Breve elas terão crescido e não mais terei netas com quem brincar. “Mas o melhor do mundo são as crianças…”

Vou voltar a tocar piano – coisas fáceis: a “Fantasia”, de Mozart, a”Träumerai”, de Schumann, o Improviso op. 90. n. 4 de Schubert, o prelúdio da “Gota dágua”, de Chopin, alguns adágios de sonatas de Beethoven. Quero ouvir música: aquelas que fazem parte da minha alma. Pois a alma, no seu lugar mais fundo, está cheia de música. E, sem precisar me desculparpelo meu gosto, digo que amo música erudita. Música erudita é aquela que nos faz comungar com a eternidade. As outras, são bonitas e gostosas – mas são coisa do tempo.

Quero reler livros que já li. Vou relê-los porque é sempre uma alegria caminhar por caminhos conhecidos e esquecidos. É como se fosse pela primeira. Não quero novidades. Não vou comprar apartamentos ou terrenos. Não quero viajar por lugares que desconheço. Eliot: “E ao final de nossas longas explorações chegaremos finalmente ao lugar de onde partimos e o conheceremos então pela primeira vez…” É isso. Voltar às minhas origens, às coisas de Minas que tanto amo, a cozinha, os jardins de trevo, malva, romãs e manacás, as montanhas, os riachinhos, as caminhadas…

Há coisas que só poderei gozar em solidão. Ninguém é obrigado a gostar das músicas que amo. Entrando no seu mundo, gozarei de abençoada solidão. Lugar bom para se ouvir música assim é guiando o carro, sozinho, sem precisar conversar. Mas quero meus amigos. Não do jeito do Roberto Carlos que queria ter um milhão de amigos. Não é possível ter um milhão de amigos. Quero meus poucos amigos. Amigos: pessoas em cuja presença não é preciso falar… Estou tentando, estou começando. Espero que consiga…

Isso é que é dar balão em um homem

Uma amiga, coitada, nem posso dizer o nome dela aqui visto a quantidade de histórias bizarras que ela coleciona, pois bem, como ía dizendo… uma amiga foi apresentada a um carinha. Tava achando tudo muito bacana, ele interessante e tal. Eis que, em determinado momento, ele vira pra ela e dispara: “Eu preciso te contar uma coisa”. Ela, claro, como toda mulher, pensou que ele fosse dizer que era casado, tinha namorado ou qq outra coisa do gênero.

Mas não. Para surpresa de geral (sim, pq toda a mulherada achou bizarro) o cara manda: “É que eu sou apaixonado por balões” Ah?? Como assim?? Isso mesmo, o cara é fã de balonismo, daqueles fanáticos mesmo, do tipo que fica olhando pela janela pra ver se estão soltando um balão e que acorda de madrugada para espalhar focos de incêndio por aí. Na boooooaaaaaaa.. ela precisa dar um balão neste cara.

O poder de uma bunda boa

Jamais, em tempo algum, menospreze o poder de uma bunda, das boas, claro. Ontem, no samba, uma amiga bunduda rebolava de olho no carinha que tocava tamborim. Ela virou pra mim e disse: “Ele é uma graça. Quero ficar com ele”.

Sacana que sou, dei força. Incentivei mesmo. Ela disse que estava investindo. Neste exato momento em que conversávamos ela deu uma viradinha pra ele e, literalmente, rebolou a raba pro cara. Pronto. Ele gamou. Eu, em posição privilegiada, acompanhei toda a movimentação. Nem preciso dizer que os dois ficaram no intervalo do show né. Sensacional !!