Lindo !!!!

O texto abaixo foi roubado, descaradamente, do blob Vida em Páginas, que tem link aí ao lado. Concordo com cada palavra:

A média, o todo
A nota média serve para passar em tudo,
menos na prova da vida.
Nessa não passa.

Não se é feliz se for metade,
e nem se chora três lágrimas e meia
a dor de uma desgraça.

Não conheço o infeliz trinta por cento,
nem alguém que experimente o prazer sem desejar.

Semi-despido, um quase gozo,
pois somente meia taça
não faz ninguém se embriagar.

Não existe “eu te amo” sem o te.
Muito menos o eu, se não amo.

Não existe nós
sem ser inteiro,
se temos medo da sorte
ou de cometer algum engano.

E meu coração será de quem,
transpirando, me fizer transpirar.
Desejando, me fizer desejar,
e inteiramente me intime,
a pular de cabeça
no seu mar de amar.

Anúncios

Vamos…

…. combinar que este país está uma M mesmo… PQP ! Qdo o médico que deveria organizar os transplantes de órgãos no Rio cobra de R$ 200 mil a R$ 250 mil para furar a fila por um fígado… foda. Este cara tem mãe? Filho? Ele não deveria precisar da doação de algum órgão? Sei lá, juro que não desejo mal aos outros, a ninguém mesmo, mas dá vontade, lá no fundo, de que pessoas como este médico se fodam muito na vida, que tenham câncer de medula e várias metástases. Pq se há justiça divina, e acredito que há, este tipo de gente precisa pagar de alguma forma.

Hj cedo, qdo soube desta prisão, pensei na hora de outro caso que muito me intriga. Passei uma madrugada inteira conversando com uma colega de trabalho há duas semanas sobre o caso, sinistro por sinal. Pra mim, acontece o mesmo (ou similar) em outro órgão do Estado. Só nos faltam provas, indícios temos, e muitos. Tomara que a gente consiga.

Mas….

…. nem tudo é sacanagem. Recebi por e-mail umas fotos fofas da minha sobrinha linda vestida de Branca de Neve, de sapatos dourados e tudo. Gentem, esta menina se acha, como já publiquei aqui.

A semana tb foi de insights e de momentos decisivos (e olha que a semana ainda está na metade). Percebi, por exemplo, que meu maior defeito é tb minha maior qualidade: muita autoconfiança. Sim, parece estranho, mas ser muito confiante em si, nos seus talentos, desejos, pensamentos, realizações… pode ser uma merda. O ideal, como em tudo na vida, é encontrar o equilíbrio. Mas, na boa, onde ele está? Se vc achar me avisa? Jura? To em busca deste equilíbrio há um tempo… difícil….

… decidi tb deixar algumas coisas pra trás, tocar projetos antigos. Foi sofrido, admito. Largar mão de sonhos grandes e importantes não é tarefa fácil. Mas estou me desprendendo. Afinal, sempre ouvi que não dá para ter tudo na vida, que temos de escolher, blá, blá, blá… pois bem, estou escolhendo. Aliás, escolhi. Sofri. Passei a semana anterior bem introspectiva, pensativa e as pessoas que convivem comigo diariamente perceberam meu ar um tanto quanto estranho. Ainda estou assim, um pouco.

Se as coisas se encaminharem para onde desejo, os próximos dois anos da minha vida serão bárbaros, bem diferentes de tudo o que já vivi até agora. Estou confiante.

Nem…

…. adianta me desculpar pelo sumiço, eu sei que já disse que tenho trabalhado muito, e tenho mesmo, mas admito que tb sumi pelo cansaço das muitas atividades sociais (graças a Deus). Esta semana já rolou festinha na minha casa (com muitos e muitos momentos divertidos e revelações), encontro dos coleguinhas em um bar no Jardim Botânico e…. ainda tem mais.. uma extensa programação. Amanhã, por exemplo, Dia do Orgasmo, será o bota-fora de uma amiga que tá indo para o exterior. Vai rolar uma festinha para poucos do jornal na casa de outra amiga e já é certo que a brincadeira do “eu nunca” será temática. Sobre o que? Orgasmos, sexo, claro !!! Promete mais revelações…

…. e olha que isso vai ser difícil superar rs. Só pra vcs terem uma idéia vou contar uns causos rs. Na festinha na minha casa, por exemplo, revelaram desmaios durante a primeira noite de sexo, usos de drogas e até mesmo casos quase pedófilos rs. Pessoas bêbadas, sabe como é. Teve gente que vomitou no quarto, que quebrou copo, usou ecstasy ou mesmo que dormiu no sofá. De tudo um pouco e a imaginação e a língua… sabe como é… falou-se demais. O baloco acabou às 6h.

Ontem, no bar, não foi diferente. Vários, inclusive eu, claro, contaram experiências um tanto curiosas rs. Muito bom, muito divertido. Impagável. E isso pq não estou mencionando os momentos poéticos e filosóficos do grande Gazzaneo. Prometo postar ao longo da semana pérolas da sabedoria deste mago rs.

PQP

Foi só escrever que o jogo tava foda que o Palmeiras fez um gol. Acho que vou assistir ao Saia Justa pra ver se dá sorte. Aliás, depois do Saia Justa tá rolando no GNT reprise de Os Normais. Simplesmente sensacional rs. Já vivi várias daquelas situações, bem, eu e a torcida do flamengo que já conseguiu passar mais de cinco ou seis anos ao lado da mesma pessoa rs.

Sufoco!

Sim, está um sufoco assistir a este jogo Flamengo e Plameiras. Ufa! Aliás, esta situação que vivo agora era completamente impensada há uns três anos. Na época, só para se ter uma idéia, eu não torcia para time algum. Agora, sou flamenguista, claro rs.

Mas o fato improvável não é ter um time de futebol, mas estar sozinha, na minha casa e assistindo ao jogo. Impensável !!!!!!!!!! De fato ! Mas até que é bom, confesso rs.

Sorry….

…. a vida tá corrida demais e meus amigos leitores estão reclamando da falta de atualização. Vá lá, vou tentar dar uma resumida na semana.

Durante todos os dias eu saí do jornal, às 22h, e fui para algum lugar: Casa da Dani, visitar minha sobrinha, niver da Mari e samba, claro.

Aliás, o samba de ontem vai dar o que falar na segunda. É, quem não foi no niver da Carol perdeu a apresentação do Fernando com a Bruna. Ela, já trebada, rebolava como uma mulher da escandinávia rs. Ele, sem saber mais o que falar, reclamava pq eu e mais meia dúzia de gente queria ir pra casa pós samba. Bem, no fim, metade se perdeu na Lapa, outra metade no Leblon e eu voltei pro aconchego da minha cama quentinha….

Por falar em cama… tenho aproveitado cada minuto que posso para dormim. O cansaço é extremo: físico e mental. Não vejo a hora de as eleições acabarem logo…

Por hj é só. To indo pro niver da Karla… feijoada e samba… nem cheguei lá, mas já sei que vou amar.

Parabéns !!!!!

Mais uma vez o dia foi corrido. Muito corrido. Além de ter ralado muito, senti forte dores de cabeça e fiquei tonta, quase desmaiei por duas vezes. Mas não é sobre isso que quero escrever.

Vou registrar aqui meus parabéns à minha amiga do peito Karla Rúbia (que divide o outro blog comigo). Hj ela completa 35 aninhos, está na crise da meia idade, como ela mesmo diz por acreditar que vai durar até 70 anos.

Amanhã, outra grande amiga, Mariana Daemon, completa suas 31 primaveras. Segunda é a vez de carol Bellei fazer 28 aninhos… Muitas amigas no mês e o mais bacana disso é que no mapa astral que fiz na semana passada aparece que minhas melhores parecerias, sociedades, casamentos e amizades seriam com pessoas de câncer e gêmeos. Bacana, não? Todas ótimas amigas. Grandes amigas. Parabéns a todas !!!!!!!!

Ta aí….

A íntegra da primeira matéria de um série que publicamos há 11 dias !!!!!!!!!
Um cabresto capaz de eleger até 25 vereadores
Poder de voto do crime organizado avança com as milícias Repórteres: Paula Máiran e Renata Victal
Dos 4,5 milhões de eleitores do município do Rio, 11% – ou cerca de 500 mil pessoas – vivem em territórios dominados pelo tráfico ou pelas milícias e formam os chamados currais eleitorais. Em mais de 600 favelas, os grupos criminosos impedem o livre trânsito de candidatos a prefeito e vereadores e ainda impõem seus próprios candidatos aos moradores, sob a ameaça de suas armas. Os números dos votos de cabresto impressionam: quase um terço do que foi necessário para manter Cesar Maia, em 2004, no Palácio da Cidade (1,7 milhão de votos); eleger pelo menos 25 dos 50 vereadores da cidade, com 20 mil votos para cada; ou, num cálculo mais apertado, até toda a Câmara. A situação é tão grave que o TRE já convocou a Polícia Federal para garantir a liberdade aos candidatos e eleitores.
O tráfico de drogas ainda controla a maioria das favelas do Rio, mas a milícia avança e pelo menos 100 dessas comunidades – a maior parte nas zonas Oeste e Norte – vivem sob seu jugo, segundo levantamento recente da Secretaria de Segurança Pública do Estado. Nas áreas de milícias, apenas os candidatos apoiados pelos bandos dominantes podem espalhar propaganda eleitoral e panfletar por ruas, vielas e praças. Aos demais, a entrada nas comunidades é impedida ou cerceada.
Na Zona Oeste, em lugares como a favela Carobinha, em Paciência, um vereador apoiado pelo deputado estadual Jorge Babu (PT) é o único que ousa pregar cartazes sem permissão prévia. Mas basta a sua equipe deixar a favela para que homens da milícia auto-intitulada Liga da Justiça arranquem tudo. Segundo denúncia encaminhada ao coordenador de fiscalização de propaganda do TRE, na Carobinha a vereadora Carminha Jerominho, ou Batgirl (PMDB), é imposta aos moradores sob a alegação de que milicianos têm acesso ao voto pessoal de cada eleitor. Batgirl é filha e sucessora política do vereador Jerominho (PMDB), preso sob a acusação de comandar milícias na Zona Oeste – entre elas a Carobinha.
No Complexo do Alemão, integrado por 12 comunidades na Penha, Ramos e Inhaúma, quem manda é o tráfico. Lá, segundo moradores que pedem anonimato, somente o vereador Jorginho da SOS (DEM) pode atuar. Tanto nos domínios das milícias quanto nos do tráfico, candidatos só conseguem entrar com aprovação prévia.
Na quarta-feira, Eduardo Paes (PMDB), por exemplo, panfletava na Pavuna quando, segundo um líder comunitário do Complexo da Penha, telefonou para um candidato local, de partido adversário, para pedir autorização para um corpo-a-corpo nas favelas do complexo – 10 ao todo, com 180 mil moradores. O pedido não foi concedido. Paes não retornou às ligações do JB.
Candidatos admitem o cerceamento.
Fernando Gabeira (PV-PSDB-PPS) revela que já foi informado de que terá dificuldades para circular na Zona Oeste em sua campanha para prefeito.
– Existe dificuldade em entrar nas áreas controladas pelas milícias – admite. – Não negocio com eles. Ainda não tive problemas porque não fui lá, mas sei que vou ter.
Alessandro Molon, do PT, concorda com o adversário: – Esse controle é criminoso, fere a soberania estadual. Repudio a hipótese de ter de pedir autorização para entrar em qualquer lugar.
Nas urnas
A interferência de traficantes e milicianos no resultado das urnas já foi constatada pelo cientista político da PUC Ricardo Ismael. Segundo ele, no último pleito, grupos de milicianos deram as cartas e conseguiram eleger representantes estaduais e federais.
– Apesar de o voto não ser distrital, a gente tem um recorte por áreas da cidade – explica Ismael. – Um grande problema é que o tráfico ou a milícia apoiam alguns candidatos. Isso já aconteceu em 2006 com deputados estaduais e federais.
O pesquisador esclarece que a solução passa pelo reforço na fiscalização da Justiça Eleitoral.
– É preciso fiscalizar para evitar que os grupos imponham seus candidatos e garantir o direito de ir e vir de todos – afirma. –Mas sei que não dá para garantir segurança aos fiscais em áreas conflagradas e isso facilita os currais eleitorais. O ideal seria que os eleitores pudessem votar livremente.
TRE convoca e Polícia Federal anuncia ajuda emergencial
O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) convocou a Polícia Federal para uma ação emergencial no Rio contra ao cerceamento à livre campanha eleitoral em nacos do território controlados por traficantes e por milicianos armados com fuzis e metralhadoras. Nenhum lugar do país enfrenta situação tão grave quanto o Rio, segundo o juiz Luiz Márcio Victor Alves Pereira, coordenador da fiscalização de propaganda no estado.
– A cidade está loteada por estes grupos. Temos recebido denúncias de casos de imposição de candidatos nessas regiões e já mobilizamos a Polícia Federal para uma ação imediata, além de um trabalho de inteligência para coibir esse crime eleitoral – explica o juiz.
O magitrado tem convocado lideranças das áreas citadas em denúncias para esclarecimentos. A candidata Carminha Jerominho já esteve com o juiz no TRE ao qual alegou não se identificar como Batgirl, alcunha pela qual foi citada em denúncia e pela qual se tornou conhecida na Zona Oeste, onde o seu pai, o vereador Jerominho é acusado de comandar a milícia.
De acordo com o juiz, os currais eleitorais já existiam, algo verificado em 2004, mas que, segundo ele, acentuou-se ainda mais desde as últimas eleições:
– A situação se agravou muito de 2006 para cá. E não pode haver esse tipo de cerceamento. É um problema de difícil solução, mas temos de agir para garantir a segurança de eleitores, candidatos e das próprias equipes de fiscalização, que sofrem limitações em sua atuação – afirma o magistrado.
Com dois meses e meio de campanha municipal pela frente, o TRE elabora uma campanha de conscientização dos moradores de favelas sobre os seus direitos eleitorais. (P.M)
Santa Marta: morro dividido entre oposição e situação
Em Botafogo, o morro Santa Marta vive uma situação incomum. A decisão do PMDB de lançar na última hora Eduardo Paes como candidato pegou de surpresa os moradores. Isso porque eles já tinham se comprometido a apoiar a comunista Jandira Feghali, explica o presidente da associação de moradores José Mário dos Santos, que também declara total e exclusivo apoio ao candidato a vereador Mario Del Rey.
–Há seis anos o Mário é o único político que aparece aqui – justifica Santos. –Ele continuou aparecendo mesmo depois de ter perdido a caneta. É o único candidato a vereador que entra aqui, que luta para resolver os nossos problemas. Ele nos pediu para apoiar a Jandira e a decisão do PMDB nos deixou dividido.
Segundo o líder comunitário, as obras que o governo estadual fez na favela, como o plano inclinado e a reforma de algumas casas, estimulam o voto em Paes:
–O Paes é o candidato do governador, que tem trabalhado pela gente, que fez várias obra, e também vamos pedir voto para ele.
Organização positiva
O coordenador de articulação político-institucional do Instituto Brasileiro de Administração Municipal (Ibam), François Bremaeker, não vê muito problema na escola de um candidato por determinada comunidade, desde que não seja pela imposição da força do tráfico ou de milícia
– A população nas favelas cresce mais nas áreas ricas e muitos políticos só aparecem nas comunidades na época eleitoral – constata Bremaeker. – Depois somem. Nada mais justo do que eles se organizarem para buscar um representante que não vai sumir depois. Que não vai almoçar ou tomar café com eles apenas durante a campanha. É válido apoiar alguém que possa lhes ajudar. (R.V)
Comunidades de portas fechadas na Penha e na Rocinha
No Complexo da Penha, dominado por uma facção do tráfico de drogas, lideranças de 10 comunidades assumem para si a decisão de apoiar a candidatura de apenas dois nomes para a Câmara Municipal e nenhum, pelo menos por enquanto, para prefeito.
– Sem autorização, nenhum candidato entra aqui – afirma o líder comunitário Edmundo Santos de Oliveira. – Estamos cansados desses políticos de Ipanema e do Leblon que só aparecem aqui em época de campanha para fazer promessas que nunca cumprem. Resolvemos apoiar somente um candidato a vereador que é cria daqui, o líder comunitário Luiz Cláudio dos Santos (PSDC) e a Teresa Bergher (PSDB), que mantém um centro social aqui onde as pessoas podem ir todo dia, cortar o cabelo, aplicar flúor, fazer fisioterapia.
Segundo Oliveira, Luiz Cláudio, de partido coligado ao do Crivella, trabalha pela comunidade e já conseguiu bolsas de estudo universitário de 70% de desconto para 400 jovens do complexo e 18 bolsas integrais para cursos profissionalizantes de radiologia e de enfermagem. Luiz Cláudio, orientado por advogados, optou por não falar ao JB. Tereza disse que o Centro Social Parque Proletário é de seu marido:
–Não sabia que eles só iriam votar em mim e em outro candidato. Fico feliz – comemora a candidata – Mas o centro social não é meu, é do meu marido Gerson, deputado. Aquela é uma região muito abandonada. Fiz várias emendas no orçamento pedindo melhorias, mas o prefeito nunca atendeu.
Mobilização
Na Rocinha, cansados de promessas vãs, os moradores se reuniram e escolheram, pela primeira vez, ter candidato próprio: o presidente da associação de moradores, Luiz Cláudio de Oliveira (PSDC).
– Na época de campanha todos os candidatos fazem questão de vir aqui, mas depois esquecem da gente – reclama Luiz Cláudio, ao lembrar que em 2004 a comunidade ajudou a eleger três vereadoras. – A Liliam Sá, a Andrea Gouvêa Vieira e a Patrícia Amorim foram as mais votadas pela comunidade – enumera Luiz Cláudio.
– Não quero ser leviano, nem mal interpretado, mas elas não foram a nossa voz. Queremos ter uma pessoa daqui lá dentro – afirma o representante eleito com 2.700 votos, em processo de escolha um tanto confuso que durou 10 dias. Luiz Cláudio diz que não é o único candidato da favela, território livre para campanhas de todos os candidatos, segundo ele.
–O Estado garante a todos o direito de ir e vir. Aqui a gente não vai adotar restrição à entrada de nenhum candidato. A Rocinha é aberta.

Revolta…

Na boa, estou tentando, mas não consigo engolir a manchete que O Globo roubou de mim e da Paula de forma descarada. Isso é muito irritante. Levamos uma semana pra colher todos os dados, cruzar informações. PQP. E nossa matéria ainda estava melhor, duas páginas. Mas deixa estar… temos mais material por vir. Só para vcs terem uma idéia do volume de trabalho.. são umas 800 páginas para analisar e cruzar dados. Se der, para domingo… leia no JB.

Mas tenho…

…. qualidades tb. Hoje, por exemplo, ensinei uma amiga a fazer brigadeiro no microondas. Dãããã. rs Foi divertido. Aliás, o filho desta amiga já está virando um parceiro, o menino só ri da minha cara. Qq dia destes vai me dar um conselho. E olha que ele só tem 4 anos. rs

Defeito…

…. um dos meus maiores defeitos é analisar tudo e todos. Sempre acho que as coisas precisam de uma explicação. Fico tentando achar lógica em tudo: nas ações, palavras, gestos e, por incrível que pareça, até na falta de cada um destes itens.

Trabalho em vão, nulo, idiota. A vida não pode ser analisada por completa. Não dá para avaliar os outros, sobretudo tendo como base nossas experiências pessoais. Se nós não conseguimos definir o pq tomamos algumas decisões em nossas vidas, imagina saber o que motivou determinada pessoa a agir desta ou daquela forma. Enfim, uma tolice sem fim.

O pior é que, mesmo ciente de tudo isso, volta e meia me pego analisando coisas. Um saco isso. Queria parar de pensar um pouco, desacelerar. Semana passada uma pessoa fez meu mapa astral (para uma matéria) e, mais uma vez, estava registrado ali que penso demais, que devo dar uma diminuída no ritmo. De fato, quem me olha, assim, por fora, não tem idéia do turbilhão que gira aqui dentro. A pessoa que fez o mapa ficou impressionada. Ele tem me acompanhado no trabalho, por causa da cobertura das eleições, e ficou surpreso ao me decifrar.

Uma das frases que ele disse foi “Nossa, nunca imaginaria que vc é assim. Olhando por fora vc é muito calma, mas por dentro vc não é nada assim. Vc precisa desacelerar”. E ele está certo.

Volta e meia, por ser bem transparente, algumas pessoas percebem pelo meu olhar a intensidade da minha mente. Mas não consigo desligar. Por mais que fale, que escreva, que tente. Sei lá. Este blog mesmo é uma válvula de escape. Sempre acabo escrevendo aqui coisas que não deveria, analisando tudo, desabafando.

Mais cedo, cometi este erro novamente, mas por msn. Tentei decifrar as ações de uma pessoa querida, uma tentativa burra e inútil de penetrar no impenetrável. De saber o que motiva o outro, quais são suas carências, necessidades. Ora bolas, mal sei as minhas, como saber a dos outros? Burra pra caralho !!!!!!!!! Prometo que vou tentar mudar. Acho que não conseguirei, mas vou tentar.

Cara de pau…

… O Globo tá de sacanagem com a minha cara né? Estampa em letras garrafais manchete dizendo que a PF vai fiscalizar a ação do tráfico e da milícia nas eleições e ainda dá o número de 500 mil eleitores vivendo sob pressão de currais eleitorais como sendo do TRE. Aloooooooooooooooooooooowwwwwwwwwwwwww, eu e Paula Máiran publicamos esta matéria no domingo retrasado, inclusive dizendo que a PF iria atuar pela primeira vez em uma eleição no Rio e o número de 500 mil foi calculado por mim com a ajuda de um professor de marketing político e um cruzamento de dados baseado na quantidade de moradores/eleitores favelados no Rio. PQP, deu um trabalhão do caralho e agora querem roubar a matéria de forma descarada. Assim não dá né minha gente…

Distância

A distância é, pelo menos para mim, um tema complicado. Em alguns casos, ficar longe de alguém nos ajuda. E muito. Ajuda a esquecer, ajuda a não sofrer. Em outros, porém, ficar distante do que se quer, do que se gosta, é bem ruim. Não digo isso pela falta de contato físico, mas por todas as outras coisas que vc só consegue sacar quando está cara-a-cara com o outro. Falo sobre aquele sorriso meio de lado, da expressão de satisfação, de afago. Sobre o olhar maroto, sapeca. Tudo isso se perde nas mensagens por msn, por celular, por e-mail.

Tenho andado distante de muitas pessoas queridas e os motivos são os mais variados possíveis. De uns, a distância é mesmo forçada, física, quilômetros e mais quilômetros. De outros, a distância é mesmo por falta de tempo, pelo excesso de trabalho. Alguns estão chateados comigo. Eu sei. Acham que mudei. Mas não é verdade. A vida está corrida mesmo. Sabe, tem uns dias em que não consigo parar nem mesmo para escrever aqui no blog ou ler todos os e-mails que mandam pra mim. Há também mensagens de celular que não consigo responder. A vida está acelerada, corrida, passando… e decidi esperar passar.

Parece estranho né? Quem me conhece bem sabe que não sou o tipo de pessoa que senta e espera. Pois bem. Agora tracei alguns objetivos para a minha vida e todo o resto, tudo o que está à margem deste objetivo, fica de lado, fica à espera. Vou sentar e esperar para ver o que os outros que estão ao meu redor vão fazer, como vão se movimentar, como a atitude destas pessoas, e suas decisões, vão afetar a minha vida.

Conversei muito com uma amiga hoje sobre isso. Ela está certíssima quando diz que não sou o tipo de mulher que deve aceitar determinadas atitudes, que o relacionamento que tenho com uma pessoa está longe de ser o que desejo pra minha vida. Mas, sinceramente, e sei que é difícil compreender isso, esta e outras questões não são prioridades para mim. Não agora, não neste momento específico. Até quando isso vai durar? Não sei. Espero que não muito.

Hoje, na terapia, ficou bem claro pra mim que existem duas Renatas morando dentro de mim: a decidida, bem resolvida, que sabe o que esperar do trabalho, que não se acomoda, nem se acovarda diante dos desafios, que corre mesmo atrás do que quer e não espera nada cair do céu. A que assume a dianteira, sempre. E tem a outra Renata, não menos acelerada, mas muito romântica, que sonha todos os dias com um ideal de vida, que deposita expectativas em algumas coisas. Que fraqueja diante de um sorriso, de um aceno, que aceita pouco dos outros porque é mega compreensiva e sempre fica elocubrando o que levou alguma pessoa a tomar determinada atitude. Que fica angustiada por não conseguir ajudar a todos ao seu redor. O problema é que esta última Renata ainda não aprendeu muito bem como se posicionar diante do mundo. É uma Renata pacífica demais. Muito incoerente, como a vida, enfim.

Leitura, filmes e boas conversas…

…. o finde foi incomum. Com apenas três folgas por mês (por causa das eleições) decidi gastar dois destes dias para o descanso. Ok, ok, não quer dizer que fiquei em casa o tempo todo, mas foi incomum. Sexta saí da redação com duas amigas, como de costume, e fui ao samba. Até aí novidade alguma certo? Errado !

Fiquei o tempo todo sentada e de papo, ótimo papo, com Paula e Fernanda. O samba acabou e nem demos conta disso. Fomos expulsas do clube. Sem vontade de dormir, decidimos seguir pel cidade bebendo e conversando. Fernanda, que estava de plantão no finde, pediu pra sair rs. Seguimos para o Lamas e, acredite, estava fechado. Como assim?????

Ok, minha casa então era o melhor destino. Viemos para cá e o papo rolou até 6 da matina, quando Paulinha tomou o táxi pra casa. Caraca, foi um papo cabeça mesmo, vcs não podem imaginar. Depois que ela partiu, apesar do cansaço, não conseguia domir. Só pensava, pensava e pensava em como podia, e se devia, ajudar a mudar algumas coisas nesta vida.

Fiquei com medo dos meus pensamentos. Como disse, o papo foi bem profundo. Fiquei com medo por me confrontar, mais uma vez, em como este mundo é injusto. Percebi, de novo, como reclamamos da vida à toa, sem razão. Ó céus, sou feliz pra cacete e não tenho mesmo do que reclamar. Prometo mudar.

Sábado à noite.. fiquei em casa. Sério. Vi dois filmes e chapei. Hj, fiz o mesmo. Que preguiça boa. Queria mais uns dois dias de folga..

Pizza e morte

Ontem fui, de novo, na casa da minha amiga Dani. Só que o jantar foi mais organizado. Eu, ela, Pati e Natalie comemos pizza… o que isso tem a ver com morte? Tem que ler até o fim pra saber… bem, Gabriel, filho da Dani, coitado, ouviu as maiores besteiras da vida dele rs. Se este menino continuar participando das nights de mulherada ou vai virar gay ou vai saber tudo sobre a alma feminina e ser o maior comedor da parada. Torço pela última opção e que ele namore minha sobrinha rs.

O encontro foi divertidíssimo. Teve até briga de mulher rs e não to mentindo, juro, quase que duas delas saíram no tapa. Juraram que nunca mais se falariam e depois, na hora de partir, acabaram se beijando. Umas fofas e bobas estas minhas amigas.

Agora sim, a explicação sobre a hora da morte. É que tem um porteiro no prédio da Dani que sempre dorme à noite. Há uns dias, quando fui lá, eu não conseguia acordá-lo pra sair do prédio. Sério, o cara não parecia respirar. Sacudi ele três vezes, chamei e nada. Só pensava assim:”Fudeu, o maluco morreu e vou ter que ficar de testemunha na DP”. Liguei pra Dani, ela interfonou. O cara não acordava. Levei uns 10 minutos pra sair do prédio rs. Foi engraçado. Ele só acordou qdo decidi abrir o portão da garagem e, praticamente, tive de sentar no colo dele pra alcançar o botão. Ontem, ele estava de novo a postos e, adivinha? dormindo rs Sensacional

Paraíso..

… hj fui ap paraíso, pena que voltei. rs Explico. Fui fazer a ida do Gabeira à Tavares Bastos, a favela onde tem a sede do Bope. Leitoras, vcs vão me compreender: em determinado momento um ônibus estacionou no pátio do prédio e vários homens sarados, vestindo shorts pretos, começaram a sair. Suados, lindos! Um atrás do outro, pulando os degraus do veículo. Uma imagem e tanto rs. Eu e a repórter de um outro jornal quase morremos.

E o que é o comandante do Bope???????????? Um gato ! Tem um aperto de mão ótimo. Ufa! Aquilo é um pedaço do paraíso rs.

O resto do programa foi ótimo. Quem me conhece sabe que adoro uma favela, conversar com pobres, me misturar. Voltei lá na The Maze e prometi ao dono que dia 1 de agosto estarei lá pra outro show de jazz. Quem não leu, não sabe, mas já escrevi sobre minha ida a este bar no alto da favela. As nights lá são ótimas, baratas e bem frequentadas. ADOREI.

E a pauta que fiz à tarde? Uma beleza. Só não conto agora pra outro coleguinha não copiar. Foi muito bacana. Aliás, to tendo ótimas idéias (modéstia à parte) e me divertindo horrores na cobertura das eleições. Posso adiantar que amanhã um candidato à prefeitura vai cozinhar pra mim em sua própria casa. O máximo.