to ausente…

… Eu sei, mas tenho trabalhado muito. Passei por uma semana dura, difícil mesmo, com muitas dúvidas sobre o futuro…por isso a ausência. Muitas coisas na cabeça. O estresse foi tanto q to de cama, d novo. Mas vou melhorar e contar umas histórias ótimas. Ps: to postando do cel. Dá um desconto pq não sei como mudar d parágrafo rs

Anúncios

feminista reacionária libertina

Sim. Fui tachada como feminista reacionária libertina rs e, pior, sou tudo isso e muito mais! O elogio veio por depoimento no orkut de um amigo virtual. Eis o recadinho dele:

“Estou viciado no seu Blog
Quase sempre rolo de rir.
As vezes concordo.
As vezes discordo.
As vezes penso que você é uma “feminista reacionária libertina” com visões anarquistas.
Vou continuar lendo.”

Que bom que, mesmo achando que sou “feminista reacionária libertina”, ele vai continuar lendo o blog. Sou mesmo tudo isso, e mais. Sou também um pouco machista! Sim, queria uma homem rico (e lindo) que me bancasse, pagasse meus luxos e eu pudesse trabalhar apenas por prazer, sem preocupação com contas e afins. Que pudesse passar uma ou outra tarde em clínicas de estética, cuidando de mim, enquanto a babá cuidasse das crianças (que ainda não tenho). Sim, porque em um mundo machista e justo (que não é o que vivemos) isso seria possível…

… Mas, como sonhadora-pé-no-chão, que me enquadro, sei que este é um ideal distante, muito distante. Por isso, em alguns dias de muito trabalho e estresse, como hoje, em que devo sair do jornal pra lá de meia noite, tenho raiva das tais feministas que foram para praça pública queimar sutiãs. Que idéia de merda. Só ganhamos mais tarefas.

Agora, além de termos de cuidar da casa, família e estarmos lindas e de unhas feitas e cabelo bem tratado,… ainda temos de administrar o trabalho e o dinheiro. Muita preocupação para um ser que é obrigado pela natureza a sangrar sete dias por mês e achar que isso é normal. Como assim normal? Isso é que é vida injusta. rs

Semana louca…

…. sumi, eu sei. Mas a semana está corrida demais. Além de 43583478974 de coisas na cabeça, algumas bem sérias, tenho estado atolada de trabalho. Ontem rolou um debate entre 10 candidatos à Prefeitura do Rio aqui no jornal e a cobertura foi frenética. Eu, por exemplo, tive de escrever duas páginas e ainda ajudar no fechamento do caderno. Loucura total. Entrei às 8h e cheguei em casa à uma da matina. Isso mesmo. Foda. Mas, com o tempo, espero retomar à produtividade no blog.

Princesas, príncipes e sapos….

Ontem fui com minha sobrinha (e a família toda rs) assistir ao show Princesas On Ice. É bonito? Sim. É uma superprodução? Sim. Um belo show de figurino, som, luzes, fogos, dança, cenário… simplesmente perfeito. Gostou? Sim (quase chorei em alguns trechos), mas…. é pesado demais para nossas crianças. Explico: Todas as histórias. Isso mesmo. Todas as as histórias são iguais. Sempre uma moça com alguns problema que é salva, no fim, por um príncipe encantado.

Até mesmo a que é rica, a Jasmine, que não é sofredora por nascimento, que é princesa legítima, de berço, só se sente feliz e completa quando aparece um homem salvador, Aladdin, seu amor verdadeiro … O que é isso minha gente??

E a Ariel, aquela linda sereia encantador? A mulher se mutila, isso mesmo, ela faz um pacto com o mal para se tornar uma mulher de verdade e poder casar com um homem. ALOWWWWWWW Ela deixa de ser quem é por causa de um homem. Quantas vezes vemos isso acontecer por aí? Inúmeras !!! Isso é o fim da picada. Um absurdo.
Estamos repetindo estes modelos toscos que a disney nos impõe. Quem disse que é preciso ter um homem, um príncipe para alcançar a felicidade? E os príncipes, já reparam, quase nunca têm uma história. Poucos, apenas o da Cinderela, a Fera e o Aladdin, têm seus passados revelados. Os outros, todos, são mera figuração. Entram, flertam e salvam as moças. Isso não choca vocês?
Fiquei impressionada ontem, ao ver todas as histórias, juntas, condensadas, seguidas. O show foi dividido em dois atos. No primeiro, contam as histórias de todas as outras e, no segundo, a da Cinderela, claro. O que me incomodou profundamente no primeiro ato é que as histórias ficavam sem final. Isso mesmo. Contavam tudo e o desfecho, a chegada do príncipe não aparecia. Pq? Ao fim do primeiro ato, o grande momento: todos os príncipes apareciam juntos para salvar suas princesas. Uma bela dança era coreografada. Fogos, luzes. E até a Minnie, isso mesmo, que nem princesa é, aparecia ao lado do Mickey. Vamos combinar né.
No segundo ato, outro incômodo. Em determinado momento, o príncipe percorre ‘a cidade’ em busca da dona do sapatinho de cristal. Os atores tentam experimentar o sapato nos pés das meninas, cujos pais pagaram os olhos da cara para sentar praticamente dentro do ringue de patinação. Até aí, tudo bem, bonitinho. Eis que ontem, no espetáculo das 11h, aconteceu algo que fez o Maracanazinho todo rir. Menos eu, claro. Três meninas, por volta dos 11, 12 anos, esticaram suas pernas para ver se o sapatinho cabia nelas. Isso mesmo !!! O sonho destas meninas já é ter um sapato de cristal que lhes agrege um príncipe. Chocante. Sei lá.
Isso pode parecer normal para todos, mas, vamos combinar, o que mais temos por aí são sapos. Muitos. Inúmeros. Alguns até se travestem de príncipes, mas é tudo farsa. Podemos contar nos dedos o que realmente prestam. E as meninas ficam lá, sonhando,d esde pequenas, com homens salvadores, enquanto seus pais pagar R$ 20 por um saco de pipoca. Sinal dos tempos…

MERDA !!!

A palavra mais rica da língua portuguesa é a palavra MERDA. Esta versátil palavra pode mesmo ser considerada um coringa da língua portuguesa. Vejam os exemplos a seguir:

1) Como indicação geográfica 1:
Onde fica essa MERDA?

2) Como indicação geográfica 2:
Vá a MERDA!

3) Como indicação geográfica 3:
18:00h – vou embora dessa MERDA.

4) Como substantivo qualificativo:
Você é um MERDA!

5) Como auxiliar quantitativo:
Trabalho pra caramba e não ganho MERDA nenhuma!

6) Como indicador de especialização profissional:
Ele só faz MERDA.

7) Como indicativo de MBA:
Ele faz muita MERDA.

8) Como sinônimo de covarde:
Seu MERDA!

9) Como questionamento dirigido:
Fez MERDA, né?

10) Como indicador visual:
Não se enxerga MERDA nenhuma!

11) Como elemento de indicação do caminho a ser percorrido:
Por que você não vai a MERDA?

12) Como especulação de conhecimento e surpresa:
Que MERDA é essa?

13) Como constatação da situação financeira de um indivíduo:
Ele está na MERDA…

14) Como indicador de ressentimento natalino:
Não ganhei MERDA nenhuma de presente!

15) Como indicador de admiração:
Puta MERDA!

16) Como indicador de rejeição:
Puta MERDA!

17) Como indicador de espécie:
O que esse MERDA pensa que é

18) Como indicador de continuidade:
Tô na mesma MERDA de sempre.

19) Como indicador de desordem:
Tá tudo uma MERDA!

20) Como constatação científica dos resultados da alquimia:
Tudo o que ele toca vira MERDA!

21) Como resultado aplicativo:
Deu MERDA.

22) Como indicador de performance esportiva :
O Vasco não está jogando MERDA nenhuma!!!

23) Como constatação negativa:
Que MERDA!

24) Como classificação literária:
Êita textinho de MERDA!!!

25) Como situação de ‘orgulho/metidez’ :
Ela se acha o tal e não tem ‘MERDA NENHUMA!’

26 ) Como constatação de fato:
‘ Eu não sou pouca Merda não’

27) Como indicativo de ocupação:
Para você ter lido até aqui, é sinal que não está fazendo MERDA nenhuma!!!

Quem será o próximo prefeito do Rio?

Sério galera, falta menos de 15 dias para a eleição e vejo a cidade quieta, morna, poucos debates. Já tenho meu candidato, mas não vou revelar por motivos óbeveos.. mas vamos lá, lanço aqui um artido do Marcus Figueiredo, cientista político e professor do IUPERJ/UCAM, que será publicado na edição de amanhã JB (já está nas bancas, pode ir comprar). Vamos debater e escolher um bom prefeito desta vez !

Faltam política, debate e competição

O brizolismo, na década de 80, trouxe de volta o debate, calado durante a ditadura
Bons analistas aconselham que não devemos ficar nostálgicos. Isso torna nossos dias tristes, quiçá azedos, atrapalha a visão e o humor. Mas, convenhamos, a eleição municipal deste ano está sem graça. Alguns tentam, mas ficam falando sozinhos, não há replica, quanto mais tréplica.

O Rio já foi fervilhante. De Pereira Passos até os confrontos entre a UDN e a esquerda, e posteriormente entre a direita e o PDT brizolista, fustigado pelo PT nascente e as novas esquerdas re-nascidas dos escombros da ditadura, discutia-se a cidade, o Estado e o Brasil a cada eleição. Cada força política apresentava um projeto político e o defendia com unhas e dentes, muita argumentação e até mesmo utopias. Nos debates, saíam faíscas.

Os partidos tinham redutos, ideologicamente claros. A direita e a esquerda disputavam a Zona Sul. A Zona Norte sempre foi de direita, e até pouco ainda era. Os subúrbios se dividiam entre trabalhistas, comunistas – que tinham maioria – os populistas de direita. Basta lembrarmos de 1960, na disputa entre Carlos Lacerda, Sergio Magalhães e Tenório Cavalcanti. Mais recentemente, a disputa era entre Brizola, Moreira Franco e os herdeiros do chaguismo. Nos anos 80, a cidade experimentou um prefeito socialista – Saturnino Braga e seu vice Jô Resende, socialista cristão – seguidos por Marcello Alencar e César Maia. Todos criados dentro do brizolismo.

A experiência do brizolismo na década de 80 trouxe de volta o debate, calado durante a ditadura. As campanhas usavam rádio, TV e principalmente a mobilização de rua. Discutia-se na rua. Estavam em jogo projetos políticos claros. Pela direita, os herdeiros da Carlos Lacerda e da ditadura; pela esquerda, os brizolistas; e, no meio, os herdeiros do populismo chaguista. O debate e o projeto brizolista tinham um endereço certo: um colega iuperjiano cunhou, na época, de o socialismo moreno do Brizola. No debate e na mobilização, à Prefeitura era reservada a função da promoção da cidadania, do combate à desigualdade social. Discutiam-se os Cieps, a regularização fundiária das favelas, dos loteamentos, e tantos outros temas. Bons tempos de mobilização, celeiro de bons políticos.

A última eleição que valeu a pena discutir na rua foi a de 1992: César Maia contra Benedita. De lá para cá, a política deixou o espaço e entrou no seu lugar a disputa pela administração eficiente. Foi assim que vivemos entre César e Conde nos últimos 12 anos. Eficiência agora é o principal atrativo eleitoral. A eficiência serve a qualquer projeto, mas ela por ela serve só ao status quo social.

Nesta eleição não há projeto político para a cidade. Não há projeto para o desenvolvimento social, o tema da desigualdade está ausente. O presidente Lula e seus ministros se esforçam em trazer seus projetos para a cidade. Nenhum candidato rebate ou adere, nem mesmo o seu protegido.

O único que tentou acender a fogueira da política foi o Gabeira, só que está propondo partir de vez a cidade numa guerra de ocupação à la Beirute.

O movimento na rua está igual ao final da última Copa, quando o Brasil foi desclassificado.
Isso não é sinal dos tempos. É falta de apetite. Quem sabe no segundo turno as coisas melhoram.

Pipoca da discórdia…

…. há alguns dias a pipoca tem causado discórdia na redação do JB. Parece mentira, mas não é. Há os contra a pipoca e os 100% favorável ao estouro dos milhos no microondas. Ontem foi o ápice da briga quando mais de seis pessoas, e isso chutando por baixo, decidiram colocar seus saquinhos pra esquentar. A gritaria foi generalizada.

Os homens se sentiram mais prejudicados já que o exaustor da copa leva a fumaça e o cheiro direto para o banheiro masculino, que fica ao lado. Houve quem abriu (ou melhor, escancarou) a janela. Mas, como a janela em questão fica ao meu lado e estava muito frio, lá pelas tantas decidi fechá-la. Pronto, mais gritaria.

O furdunço começou depois que decidiram fazer uma obra na redação. Sim, pq tudo tem uma origem né. Sem consultar a opinião da maioria da redação, decidiram tirar o banheiro feminino daqui. Isso mesmo. O colocaram no corredor, logo na subida da escada, fora da redação. Disseram que fizeram isso para dar mais liberdade às mulheres. Não me pergunte como, não entendi, mas ok. (Uma mulher jamais decidiria trocar um banheiro por um microondas no meio da redação.)

Com isso, ampliaram o banheiro masculino, que virou praticamente um latifúndio do mijo. Ao lado, onde era o banheiro feminino, fizeram uma tímida copa e ali instalaram uma pia, uma cafeteira e o fatídico microondas. Pronto. Desde então, volta e meia, alguém empestia a redação com algum cheiro. Já teve peixe, lasanha e feijão. Mas, a moda mesmo, é a pipoca. Acreditem, compraram até sal e colcocaram sobre a pia.

Ontem, uma repórter, com muita vontade de agradar, comprou sacos de pipoca para todos que cobrem eleições e que já estão de saco cheio (trocadilho enfame). A idéia fofa causou tumulto. Já pode imaginar né… alguns sacos sobraram e hoje muita gente foi pra tal copa de saquinho na mão.

O mais engraçado é que, ontem, um motorista novo, muito do engraçadinho e já devidamente apelidado de Agostinho Carrara, reclamou do cheiro. O que ele fez hoje? Colocou seu saquinho no microondas. Percebeu que to me divertindo horrores com tudo isso e comendo pipoca, claro.

Eu quero um abacaxi !!!!

Li no jornal O Dia de hoje que a prefeitura vai colar adesivos nos carros de maus motoristas, de quem estacionar em local proibido, cometer infrações. Diz o adesivo: ‘Eu sou um abacaxi para o trânsito na cidade’.

Os adesivos, aposto, vão virar cult e já lanço a campanha: Eu quero meu adesivo de abacaxi !! Se alguém conseguir, please, me dê. Farei questão de andar adesivada. Achei sensacional a idéia.

ahahaah

Só pode ser piada né. Acabo de receber um mail com o assunto: José Ricardo Serafim. Fui abrir correndo,e stava crente que seria algum perfil de vereador. Eis que me deparo com isso: “Oi Renata não sei da onde você conhece o Ricardo , mais espero que você saiba que ele é casado.
Atenciosamente sua Esposa Andreia.”

ahahahahaha só pode ser mesmo piada. A mulher acha que sou amante do cara,mas não faço idéia de quem seja José Ricardo Serafim. Alguém conhece?

Vamos combinar….

… tem coisa mais irritante do que gente que se nega a falar as palavras, sobretudo as em inglês, na pronúncia correta? Liguei para uma assessora de um candidato a vereador do PSOL pq ela passou a foto dele, mas não mandou nada sobre a vida do cara. Aí fica difícil fazer um pequeno perfil. Enfim, liguei para ela e pedi para que enviasse para o meu gmail (gêmeiu).. aí ela respondeu ah tá xxxx@gêmAil. com Alowwwwwwwwwwwwwww. O mundo fala correto, qq favelado pronuncia gmail de forma correta. Custa falar certo? Tem que ser tão nacionalista assim?

Direito de ficar calada

Meu editor veio conversar comigo hoje. Está preocupado pq tenho estado ríspida, de mau humor e queria saber o motivo. O motivo? Simples. Me reservo o direito a ficar calada, a ficar doente, a ficar triste, a ficar cansada. Me reservo o direito a não ter de sorrir o tempo inteiro ou mesmo contar piada. Pq escrevo isso aqui? Pq ele não é a primeira pessoa a vir me perguntar o que está acontecendo comigo.

Entendo e agradeço a preocupação de todos, mas será que não é hora de uma reflexão generalizada? Será que cada um não tem direito a ter seus dias de quietude e solidão? Tudo o que quero é ficar no meu canto, calada, fazendo meu trabalho.

A sociedade vive nos cobrando uma felicidade eterna, um riso aberto no rosto, todos os dias, todas as horas. Mas o que fazer então com os momentos de reclusão? Ora, como já publiquei antes, não sou pessoa afeita às máscaras. O que penso e sinto é transparente, visível a todos. Por isso até ele pode perceber que não estou lá muito bem. Tenho direito a isso e estou cobrando os meus dias de Gazzaneo (brincando com um amigo de trabalho que tem no mau humor sua marcar rs).

Mas o que esperar de uma pessoa que está doente há mais de 10 dias? Bom humor? Não aguento mais tomar remédios. Não aguento mais as dores no corpo o estado febril permanente. Já passei pelos dias de antibiótico. Agora, estou na fase dos 10 dias de antialérgico. Nem adianta mais tomar remédios para dor de cabeça. É isso. Obrigada pelos convites pra sair. Obrigada pelas ligações, e-mails, conversas. Meu chefe queria me dar uns dias de folga. Mas não quero. De que adianta ficar em casa neste estado? Prefiro tirar folga quando estiver bem, quando puder ir à praia, ao cinema, sei lá, aproveitar a folga né. Ficar em casa, deitada… to fora. Quero ficar quieta sim, mas sem radicalismos.

O mundo enlouqueceu….

…. mesmo. Li no G1 que Rondônia vai eleger a Miss Penitenciária 2008. Até aí tudo bem. Dez detentas estão na final. Até ai, tudo bem. O bizarro é que a candidata eleita ganhará uma televisão, que pode ser usada na carceragem.

Agora uma dúvida: é uma prisão ou um spa? Sim. Pq se elas estão presas é pq infringiram a Lei. Pq são, teoricamente, perigosas para a sociedade. E só pq uma delas é bonita (?) terá direito a TV no quarto e secador de cabelo? Que discriminação. Coitada da que nasceu feia.

Isso é foda e prova de que no Brasil (e provavelmente no resto do mundo) se valoriza muito valores superficiais e etéreos como beleza. Até a presa mais bela terá benefício. Sei lá, o prêmio poderia ser outro, não? Uma visita extra da família, uma refeição melhor um dia da semana. E só isso. Mas dar um prêmio destes, sem data para expirar, apenas pq a mulher é bonita… sei lá, como mulher, me sinto ofendida.

Aliás, várias atitudes machistas me ofendem. Esta semana um amigo fez um comentário muito sinistro. Ele classificou como ‘dadeira’ algumas jornalistas que costumam transar com seus colegas de trabalho. Mesmo longe desta classificação (já que em oito anos de profissão só me relacionei com dois jornalistas e um deles era meu ex-marido), me senti ofendida. Quer dizer que os homens podem comer e cantar todas as mulheres da redação. E isso, para eles, é bacana, dá um status legal. Já as mulheres são putas? Que preconceito ! Que vergonha !

Fechada pra balanço

Sim, parece estranho, mas estou fechada pra balanço. Isso mesmo, como algumas lojas. O tempo de saldão acabou. Agora quero arrumar um namorado, menino sério, trabalhador, honesto. Tem que ser carinhoso, inteligente (pq odeio gente burra) e compreensivo. OK OK, coisas demais. Pode faltar uma ou outra coisinha, mas é primordial me tratar bem.

Como diz um amigo (em uma comparação bizarra com jornais) estou em busca dos grandes anunciantes…

Desesperador …

… ler os jornais de hoje: OS EUA estatizaram a AIG. Cuba pediu suspensão ao embargo americano. Número 2 da PF é preso por corrução. Até mesmo os escorpiões estão atacando. Segundo reportagem do JB, pesquisadores da FIOCRUZ mostram que o número de casos de pessoas picadas subiu 139% nos últimos quatro anos … caraca, dá pra suspender a onda de más notícias???

Sim….

…. sou liberal. Recebo críticas por isso, mas OK, vida que segue. Meu astrólogo, da última vez que fui lá, disse que eu poderia largar o jornalismo e ser terapeuta. Disse que eu seria ótima psicóloga. E deve ser verdade. Não sei se pelas minhas idéias ou meu jeito compreensivo, o fato é que geral, isso mesmo, eu disse geral, vem contar seus ‘pobremas’ pra mim.

É gente que trai o marido, a esposa e vem correndo me contar, desabafar. Todos querem um conforto e ouvir “tudo bem, é assim mesmo”. Gente que decide virar gay. Acredite, muitos amigos mudaram de time nos últimos anos. Todos, antes de assumirem pra geral, contaram pra quem antes? Pra mim, claro. Teve um, muito gatinho por sinal, que me convidou pra um chope. Lá fui eu, toda empolgada, crente que o maluco queria me comer. Lá pelas tantas, a revelação: ele se descobriu gay, mas ainda não tinha assumido pra família.

E vai por aí… tenho um outro amigo que sempre me conta sobre as sacanagens que participa. Adoro. São papos divertidíssimos e histórias picantes. Volta e meia ele aparece com uma despedida de solteiro em algum motel da cidade. Coisas do tipo 8 homens e 10 mulheres. Dois casais ao mesmo tempo no chuveiro…. e por aí vai.

Mas tudo tem um limite né, ou pelo menos deveria ter. O foda é que neguinho já se acostumou a me contar tudo. Ontem, por exemplo, vieram dizer que tinham levado uma dedada. Isso mesmo. O maluco me relatou seu exame de próstata e mais, disse que a próstata está inchada. Na booooooooooaaaaaaaaaa, este é o tipo de informação que eu não precisava saber né. O mais engraçado é que a pessoa, no momento que me relatou o exame, assim, de surpresa, deu aquela sentadinha básica na cadeira, como se ainda tivesse dolorido. Alowwwwwwwww, dolorido pq? No cú dos outros é refresco né rs.

Sério. Duvido que exista um homem na face da Terra que nunca sugeriu ter vontade de comer o cú de sua parceira durante o ato sexual. É um clássico. Como diz um amigo, hoje, o diferencial é mulher que lave e passe. O resto, todas fazem. Pois bem, se ele gosta de comer o cú das outras, repetidas vezes, pq reclamar de uma simples dedada? É só um dedo. Se ele reclama do dedo, imagina se metessem uma jeba nele…. malandro, não? Vamos ver se, depois do exame, ele vai parar de sugerir sexo anal para suas parceiras. Duvido !

Louca???

Vcs, leitores amados, viram ontem à entrevista da atriz Cássia Kiss à Marília Gabriela, no GNT? O que foi aquilo? A mulher é 100% pirada… ela acha meganormal amamentar o filho de quatro anos. Isso mesmo, quatro anos. Segundo ela, o moleque mama quando quer. Chega a ficar dois dias sem dar uma chupadinha no peito dela, mas, quando tem vontade, vai até ela, levanta a blusa e mama.

Ela acha “lindo e um momento de amor puro”. ????????????????? aposto que o moleque fica de pau duro. Na boa, ele não mama por fome, ele já tem dentes, come comida. Ele mama pq, de alguma forma, deve sentir prazer naquela relação doentia entre mãe e filho.

Assim como eu, Marília Gabriela ficou assustada. Chegou a perguntar o que o analista dela achava daquilo. Pasmem: segundo ela, ele acha normal. Alowwwwwwwwww Cássia Kiss, tá na hora de vc procurar outro terapeuta. OK, vc é ótima atriz, adoro seus trabalho, mas não dá né. É muita piração até mesmo pra mim, conhecida (e criticada rs) por minhas idéias liberais. Assim não dá messsssmooooo.

Concordo e acho bacana o esquema de ter uma casa e seu marido outra, a um quilômetro, sério, acho maduro, real, viável. Mas dá o peito pra um filho de quatro anos e ainda ir pra TV defender que isso é muito norma e saudável, não dá. Sorry, não dá mesmo.

Alowwwwwwwwww

Mais um mail errado que recebo:

“Queridos,
Não se esqueçam de reforçar com todos nossa vigília das 18 as 24h nesta sexta feira, vai ser a maior benção, Deus vai liberar muitas vitórias no reino do espirito e breve virá a existencia sonhos dos nossos corações, “OS PORTAIS ESTÃO ABERTOS” COM GRANDE AMOR NO SENHOR NOSSO DEUS,
Cleusa.”

Fui à estreia da peça Os Cafajestes com uma amiga. Nos divertimos muito. Não só pela peça, claro, mas por tudo o que envolve o passeio. O que eram aquelas pessoas estranhas no Shopping da Gávea? Sério, agora é moda ir ao teatro de gorro de lã na cabeça, isso mesmo, e nem estava chovendo ou muito frio. Sinira. E a bicha montada? De peruca ruiva e tudo sentada na segunda fila? Sensacional. Sem contar com uns casais estranhos demais e uma série de outros detalhes rs…

Mas vamos falar da peça né. O texto é repleto de piadas prontas e machistas, como era de se esperar, mas é possível dar boas risadas. O melhor, sem dúvida, é ver Leo Jaime no palco. Sim, ele mesmo, o cantor, dançando forró com uma barriga maior que a do Genival Lacerda, e depois, em outra cena, tentando (apenas tentando) subir em um banquinho de madeira. IMPAGÁVEL !!! Vale a pena conferir.

Editores de Cristo !

Bem lembrado por meu colega Marcelo Migliaccio, assim como há Atletas de Cristo, temos Editores de Cristo. Isso mesmo rs. Percebi que faltam 20 dias pras Eleições, falei isso pro meu editor e ele começou a rezar “Pai Nosso”. Sério. Parece brincadeira, mas não é. Cobrir eleição é tão complicado que as pessoas acabam pirando, apelando pra Cristo, tudo… rs.

Meus olhos…

… amanheceram inchados de tanto que chorei à noite. Sim, chorei de soluçar e tudo motivado por um filme que aluguei. Já viu “PS: Te amo”? cara, é fodaaaaaaaa. Chorava como se fosse comigo. De alguma forma me vi na personagem que perde o marido com um tumor e passa a encarar sozinha, aos 29 anos, uma série de medos, questionamentos, sonhos. Familiar, não? Não que meu marido tenha morrido, pelo menos não literalmente, mas, para mim, lá no fundo, ele está morto. Complexo, não? Pois bem, eu soluçava e tive de parar o filme algumas vezes para poder limpar os olhos pq já não era mais possível ler as legendas.

Além da história, a fotografia é bem bacana. Tem uns takes da Irlanda que são sensacionais. Dá vontade de pegar o primeiro avião e conhecer todos aqueles lugares. Mas o filme não é apenas lágrima. Ri bastante também. Vale a pena. Acho que vou rever hoje, antes de devolver amanhã.

Dos outros filmes que assisti recomendo “Desejo e Reparação”, pela beleza dos cenários, da história, das interpretações, da profundidade da trama. “Paris, te amo” porque alguns curtas são fantásicos, criativos, belos e, claro, por poder me embrenhar em cada ruazinha de Paris.

É legalzinho, mas nem tanto, “Margot e o Casamento”, mais pelas interpretações do que pela história em si. E o completamente desnecessário “Caché”, que não tem final. Ou, se tem, não entendi. Alguém sabe explicar???