Coisa rica da dinda

Terça saí mais cedo do trabalho e consegui buscar Giovanna na escola. A pequena quis ir lá pra casa e fizemos a festa. Ela é uma fofa, inteligente, meiga, sagaz e não me canso de repetir isso. Da escola passamos pelo mercadinho da rua e pela locadora de vídeos. Depois, já em casa, enchi a banheira com muita espuma e ela fez a festa. Nadou de tudo que foi posição. Uma graça. Do banho, janta. Isso mesmo, fiz miojo pra menina (vergnha rs), mas ela amou. Pena não ter dormido lá. Seria meeega divertido.

Máscaras da falsidade

Um dia toda máscara cai. Acredito nisso sinceramente. Tenho motivos. Meu astrólogo sempre me diz que preciso aprender a usar máscaras e que elas vão me defender de algumas pessoas más. Só que não consigo. Sou isso aqui, com este blog, 100% transparente. Nem os comentários ofensivos eu apago. Pelo contrário, autorizo todos. Não consigo, sei lá, tá no meu DNA, na minha criação, no meu modo de ver as coisas.

Talvez por isso tirar máscaras de outras pessoas seja uma tarefa, pelo menos para mim, bem sofrida. Acho triste jogos de manipulação, redes de intrigas, muralhas de proteção. E o motivo é claro: acredito que estas redes, muralhas e jogos aconteçam apenas para cobrir o insucesso, a falta de criatividade, para esconder mesmo. Hoje, através de um amigo, soube de um caso de plágio bizarro. Há mais de um ano, Roberto Chalita  copiava integralmente  textos de Eduardo Goldenberg, de Arthur Tirone, de Bruno Ribeiro, de Fernando Szegeri e de Luiz Antonio Simas. A cara de pau era tanta que até fotos de família o malandro roubava.

Gentem, isso é ter muita cara de pau. Como uma pessoa consegue dormir sabendo que está roubando ideias alheias, que vive uma vida que não lhe pertence e que até fotos rouba para sustentar estas mentiras. Acho isso tudo muito doentio. Tenho medo destas pessoas. Muito medo. Leia a íntegra da denúncia aqui.

Chocada

É isso mesmo, estou chocada. E ainda bem. Como posso achar que está tudo normal se um dos assassinos do João Hélio está solto e sob proteção? Impossível. Sei que é a Lei, mas ok, não preciso concordar com todas as leis. Aliás, já passou da hora da sociedade se mobilizar para mudar algumas destas leis imbecis como cela especial para quem tem diploma e lutar pela redução da idade penal. Se malandro pode votar com 16 anos, tb pode ser responsável por todos os outros atos.

Também é bizarra a situação em Brasília. OK, Arruda está preso e esta foi uma grande notícia no Carnaval. Mas Paulo Octávio continua solto, não renunciou e se acha no direito de governar Brasília. Merece óleo de peroba pra passar na cara.

Babado no samba

Sempre fugi de bloco grandes. Quem é meu amigo e me acompanha nos carnavais da vida sabe que a única excessão é pro Boitatá. Este, apesar de grande, está no meu coração. Eis que hoje, ao ler o blog do Daniel Pereira, fiquei sabendo que o Simpatia é Quase amor deixou os compositores do samba do lado de fora do carro de som. Como assim??? Por dois anos desfilei no carro de som do Imprensa que Gamo, em Laranjeiras, simplesmente pelo fato de estar como compositora. Tá certo que só coloquei uma palavra ou outra, mas todos que participaram de alguma forma subiram no carro, cantaram com microfone em punho, ou seja, participaram.

 Não é justo que pessoas que tenham queimado a mufa pra fazer um samba alegra, divertido e empolgante não tenham a chance de curtir deste momento de glória em plena folia. Não se ganha $$ algum pra compor samba de bloco, por isso é mais que justo pagar com reconhecimento, com um lugar no pódio. Muita sacanagem mesmo. Bem antipática esta atitude.

Para saber mais sobre este buxixo, leia aqui

Feliz 2010

É isso aí, o Carnaval acabou, o Mengão ficou de fora da primeira fase do Carioca, a Unidos da Tijuca venceu e hoje é, enfim, o primeiro dia do ano. Gostaria de desejar Feliz 2010 a todos, mas não posso dizer que estou muito animada pq recebi uma notícia chata. O pai de um amigo faleceu e isso acaba comigo. Sei que a vida é assim mesmo, que todos vamos morrer um dia, mas já perdi meu pai e sei como isso é uma merda. Não há nada que possa ser dito a este amigo que vá tapar este buraco que ele sente no peito neste momento. Uma merda.