Perfeito

Vou te dizer que adoro os textos da Eliane Brum. Hoje ela nos presenteia no site da Época com uma entrevista. O tema dieta. A entrevistada anônima tem umas ideiais ótimas, bem parecidas com as minhas. Sinceramente, também me sinto violentada ao fazer uma dieta. Um insulto mesmo. Cada vez mais percebo que meus quilos a mais incomodam aos outros. Vejo algumas pessoas indignadas com o fato de eu ainda não ter começado uma dieta afinal, como vou usar um vestido de noiva assim? O que faço em homenagem a estas pessoas? Como um pedaço de bolo de chocolate. Leia a entrevista no link:

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI135786-15230,00-O+INSUSTENTAVEL+PESO+DO+SER.html

Anúncios

2 comentários sobre “Perfeito

  1. Rê, eu li a matéria e não concordei muito com o argumento da entrevistada. Ela diz que resolveu se render às exigências sociais pra ter paz, pq está cansada e blablablá, mas é nitído o sentimento dela de infelicidade com a própria decisão. Ou seja, ela vai emagrecer e não vai encontrar a tal paz, pq vai continuar atormentada com os padrões aos quais se rendeu, vai ser uma magra psicótica: será que estou agradando? será que estou magra o suficiente? será que aquele cara não me deu bola pq sou magra e morena e não loira? será que devo agora pintar o meu cabelo e fazer uma plástica geral?
    Pelo amor né?! Ela tem problemas graves de aceitação, culpa o ‘externo’ incisivamente. Se eu fosse ela, daria um esporro na família, trocaria de amigos e de meio, mas manteria a integridade das minhas convicções, já que ela não sente incômodo algum com o próprio peso.
    Eu, por ex., estou fazendo regime por mim, na tentativa de corrigir maus hábitos e melhorar a qualidade da minha vida. Andei tendo problemas de ‘prisão de ventre’, sabe o que é isso? É horrível. Querer fazer cocô e não conseguir, porque naquela torta de chocolate não havia fibras o suficiente pra ajudar a digestão.
    Comecei a comer tanto e mal de tal forma que passava o dia inteiro pesadona, sem ânimo pra caminhar com os meus cachorros, uma atividade simples que sempre amei.
    Tudo bem nunca fui das mais ativas, mas ultimamente eu estava preguiçosa demais. Até o meu rendimento no trabalho estava sendo prejudicado, pq vivia com sono, de saco cheio. O meu peso estava realmente afetando o meu humor. Sem contar que o meu peito aumentou consideravelmente de tamanho e me incomoda muuuito.
    Enfim… problemas que passei a ter por causa de ansiedade, gula e também pela falta de consciência com os limites do meu corpo.
    Estou investindo minhas forças pra ter sim uma vida mais saudável simplesmente porque me sinto de verdade melhor. Estou mais disposta, mais ativa, dinâmica, mais confortável com o meu corpo e sem aquela anisedade louca que me fazia devorar tudo pela frente. Eu estava extrapolando os limites do prazer de comer.
    Agora vc vê, hoje como mais vezes durante o dia, como alimentos certos que me sustentam bem e não me privo de uma guloseima. Até preciso atualizar o andamento da minha dieta no meu blog. Já comi pizza, bolo de chocolate, tomei sorvete… tudo isso sem me afetar de maneira exagerada.
    Veja bem, não estou fazendo regime só por uma opção estética, se eu ficar mais bonita, será apenas consequência dessa nova filosofia. O que quero mesmo é me sentir mais leve, andar por aí com menos ‘peso no peito’, não me sentir limitada em relação a algumas atividades físicas e ver o nº1 e o nº2 funcionando diariamente, sem estresse.
    Não discrimino gordos, namoro um inclusive, só quero que ele emagreça um pouco por uma questão de saúde mesmo, ele parou de jogar basquete, o esporte que ele mais ama, porque os joelhos dele sofrem com o execesso de peso, isso é uma limitação grave, não?
    Mas cada um é que sabe de si. Divulgo a minha experiência pra apoiar, incentivar quem passa por algo semelhante. Só isso, sem pretensões maiores.

    Beijosssssss.

  2. Entendo perfeitamente vc e acho que está certíssima. Se sentiu incomodada com algo e correu atrás de uma forma pra mudar a situação, no caso, uma dieta. Qdo digo que concordo com a entrevistada é mais com as últimas respostas pq é demais esta pressão social para que todos vistam o mesmo manequim ou como apenas folhas verdes no almoço. É uma censura ao que colocamos no prato, entende? Existe um preconceito enorme contra os gordos e a entrevistada está se ajustando justamente para parar de sofrer com isso. Se ela vai conseguir, não sei. Talvez ela troque um problema por outro. Na verdade, sinceramente, espero por uma segunda parte da entrevista, daqui a uns meses, qdo ela já tiver perdido os quilos que deseja. Quero saber como ela se sente em relação a si e ao mundo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s