A difícil arte da separação

Separar é difícil. Fato. Quem já passou por duas separações, como eu, entende bem que é ruim separar quando a gente toma um pé na bunda, mas que também é difícil dar o pé na bunda. Cortar laços com pessoas queridas, desfazer sonhos, adiar planos … é tudo muito complicado. Nem posso imaginar o quanto deve ser difícil separar com filhos pequenos. Só sei que separação não mata. Pode ser ruim, mas sobrevivemos.

Depois de duas separações, não vou dizer que a gente se acostuma, porque acho que nunca vou me acostumar a me despedir de pessoas importantes, ficamos mais espertos, mais ligados. Eu, por exemplo, passei a ter um radar ótimo para identificar casais com alto percentual de separação. É bater o olho no casal e pá… sacar que algo ali não está bom. Mas o que fazer numa situação dessas?

Bem, prefiro não fazer nada, assistir a tudo de camarote e aguardar minha amiga de braços abertos. O consolo nestas horas é tudo e faz muita diferença. Por que decidi agir assim? Por muitos motivos. O mais importante deles é porque acredito que devemos passar por algumas situações sem a interferência alheia. Cada um sabe de si, não é mesmo? O que eu acho melhor para uma pessoa certamente não é o que ela considera melhor para si.

Outro motivo é respeito. Outro, amizade. Explico: Como dizer para uma amiga que ela está sendo traída? Já passei por isso e não é nada agradável. Perdi uma amiga por conta disso. Ela preferiu acreditar no malandro traidor, ok, cada um sabe de seus motivos. Por isso, em nome da amizade, prefiro manter o silêncio e aguardar. Só conto mesmo em casos extremos.

Exemplo? Bem, certa vez vi o namorado da minha irmã com outra. Claro que contei pra ela. Porra, a mulher é minha irmã e tem a obrigação moral de confiar em mim. Tomei certo cuidado para tanto. Primeiro,  fiz questão de que o malandro soubesse que eu tinha descoberto. Fui lá falar com ele, claro. Escândalo?  Nenhum. Quem me conhece bem sabe que não perco a razão por homem algum. Como pessoa bem educada que sou, fui até o traidor, bati de leve nas costas dele e disse “Oi fulano, tudo bem? Como vai você? Estou indo lá pra pista de dança, apareça por lá depois”. Pronto, foi o suficiente pro escroto fugir do local com a certeza de que foi descoberto. Fiz isso na frente de amigos, com testemunhas. Impossível do cara negar.

Mas não faço isso sempre. Pior mesmo é quando a gente sabe, mas não tem provas. Aí… bem, aí não tem jeito. É guardar o tempo agir sozinho. Uma hora, acredito, a gente sempre descobre. Alguns têm uma relutância maior para aceitar. ok, precisamos respeitar. O que faço em casos assim? Dou força, apoio e conta algumas histórias pessoais e de amigas para ver se a pessoa acorda pra vida e toma alguma atitude. A gente não pode fazer milagre né. E também nunca sabemos se a pessoa não liga de ser corna. Sim, parece inviável, mas tem gente que prefere fingir que não sabe. Repito, cada um sabe o que é melhor pra si.

Tenho uma amiga que, volta e meia, vive com infecções urinárias, doenças venérias e tal. a pobre é fiel ao marido, logo… tá na cara de que alguém está pulando a cerca. Certa vez, ela disse que estava com infecção urinária por causa do DIU. Alowwwww, isso não acontece, deu vontade de berrar, mas me calei. As vezes fico pensando: Será que fulana não percebe mesmo que tá cheia de galho na cabeça?

E este é apenas um caso. Tenho amigas e amigos que vivem casamentos ruins e preferem ter amantes. Este modelo jamais serviria pra mim. Prefiro mil vezes a dor da separação a ter de dormir todos os dias ao lado de uma pessoa que não me satisfaz, que é um encosto, que eu sei que tem outra, que não sente mais desejo sexual por mim ou que eu não sinta mais desejo. To fora.

Meu astrólogo diz que posso ter até sete casamentos. Incrível né, acho que não resistiria a tantas separações rs. Mas ele garante que não terei os sete por pura opção. Diz ele “Vai chegar uma hora que você vai sossegar e vai ficar só com um, apesar das tantas opções”. Gentem, não consigo pensar neste momento. Como assim??? Já me sinto uma galinha, mesmo sem ser rs. Bem, dois já foram né. Que venham os 5 !!! Até porque é fato que não sustentarei relações insatisfatórias. Tudo na vida tem um limite e o da minha paciência é mínimo.

Anúncios

Um comentário sobre “A difícil arte da separação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s