Hot Fair 2011 … é pra lá que eu vou

Pronto ! Tá decidido: amanhã vou com algumas amigas na Hot Fair 2011. Gentem, o site do evento já é babado, imagina tudo isso ao vivo… sensacional. Explico: além de vender produtos eróticos/sensuais, a feira tem uma extensa programação e uma grade de atrações surreais. Quer exemplos? Então, veja só:

Atrações:

Castelo do Fetiche/ Espaço Liberal / Espaço Voyer /… e o mais bizarro: RODEIO ERÓTICO !!! Isso mesmo, o detalhe é neste rodeio o touro mecânico será substituído por um pênis. Gentem, que coisa tosca e divertida. Tenho que dar um confere.

Outro atrativo é o talk show com Angela Bismarchi. Não posso perder né? Preciso ir até lá conversar com a musa e pegar umas dicas. Vai ser babado ! Olha, os homens meia-bomba precisam assitir à palestra “Porque nós homens ficamos impotentes”. Fundamental, macharada!!

A feira também promoverá concursos, claro. Saca o naipe: A boca mais bonita / O beijo mais empolgante/ Air sex (????) / Calcinha mais sexy/ Melhor strip tease / Bunda mais bonita …. Sensacional. Vai ser um desfile de coisas toscas. Partiu?? Vamos tomar uns bons drink por lá??

Ah! Tudo isso por módicos R$ 25. Vale super a pena !!! Prometo postar umas fotos depois.

Se quiser dar um confere no site, clique aqui

Anúncios

De Bolinho para Moreninha

Então, hoje, mais uma vez, recebi um email errado em minha caixa postal. Vejam que fofo o conteúdo:

“Boa tarde

 Moreninha
 Viu os jacares que mora perto do ap rss ,morrir de susto
Princesa coloquei mais uma verba na conta poupança sei que e chato falar disso mais e necessario , pode me informar o valor que tem la depois que pagar a mensalidade desse mes , me desculpa por nao acompanhar direito , te adoro muito
bjsss
 te amo
 Bolinho
Engº Antonio Pedro”

No pé do email tem o celular do Bolinho. E aí, o que faço? Publico o tel no blog? No twitter? ligo e passo um trote? O que vc faria?

AGORA

O grande mestre Paulinho da Viola apregoa “meu tempo é hoje”. Bem, sempre achei que pensasse da mesma forma, mas hoje, no Bodytalk pós acupuntura, o recado foi direto: você tem que aprender a viver o AGORA. Mas eu já não faço isso?, pensei.

Bem, deve ter algo errado porque há duas semanas a astróloga me recomendou o livro O Poder do Agora. Ela acha que posso aprender algo com este exemplar de auto-ajuda). Não sei, mas, na dúvida, comprei o livro. Não é possível que o Universo esteja me mandando tantos sinais a respeito. Por que será?? Não sei e nem quero pensar a respeito. A todos, apenas um aviso: vou viver ainda mais o AGORA, com mais intensidade, mais amor, mais paixão, mais vivacidade.

Aspargos….

…. então, hoje deu vontade de escrever sobre aspargos. Isso mesmo, você não leu errado: aspargos !!!

Você sabia que o aspargo é uma flor da família dos lírios? Nem eu, mas o santo google está aí pra nos ajudar, não é mesmo? Bem, eu não como aspargos, mas achei que seria interessante trazer o tema ao blog. O aspargo contém vitaminas do Complexo B (ácido fólico), Betacaroteno (provitamina A), além dos minerais Cálcio, Ferro e Fósforo. Também é excelente fonte de glutationa, um antioxidante com forteatividade anticancerígena. Auxilia ainda na digestão, tem ação diurética e sedativa.

Os aspargos frescos devem apresentar o talo firme e uma cor uniforme. Eles são melhores aproveitados se comidos assim que forem comprados. Poderão ser armazenados até três dias em geladeira se forem postos em uma vasilha com seus talos submersos em um pouco de água

Interessante, não? Então, anote a receita:

Aspargos com Molho de Queijo

<!–

–>// // <!–

–>

Ingredientes:

  • 1 xícara(s) (chá) de água
  • 1 colher(es) (chá) de curry
  • 1 unidade(s) de ovo
  • 1 colher(es) (sopa) de salsinha picada(s)
  • quanto baste de sal
  • 1 colher(es) (sopa) de parmesão ralado(s)
  • 2 maço(s) de aspargo(s)
  • 1 xícara(s) (chá) de vinagre de cidra

Preparação:

Corte as pontas dos aspargos com eles ainda amarrados. Lave-os em seguida soltos em bastante água corrente. Coloque-os na mesma direção em uma panela apenas cobertos de água. Tempere com uma pitada de sal. Cozinhe por aproximadamente dez a quinze minutos, devem ficar macios mas sem desmancharem. Escorra a maior parte da água. Deixe um pouco para reaquecê-los antes de servir.

Para preparar o molho ferva a água com o vinagre , o curry e uma colher de chá de sal. Quando o líquido estiver reduzido à metade, acrescente a gema de ovo dissolvida no creme de leite. Misture em fogo baixo até o molho cobrir as costas de uma colher de pau. Não deixe ferver que talha. Acrescente o queijo mexendo sem parar. Sirva os aspargos em uma tigela longa e o molho em uma molheira ao lado.

Curiosidades:

A água do cozimento do aspargo pode ser aproveitada para fazer molho, sopas ou suflês.

O aspargo é muito indicado para pessoas que fazem dieta porque é pouco calórico.

A maioria dos aspargos utilizados em conservas é cultivada no escuro, por isso são brancos.

Paul MacCartney mais que perfeito

Ontem, como presente de dia das mães, levei minha mãe ao Engenhão para o tão aguardado show da lenda: Paul MacCartney !! Foi fantástico. Não só pelo show, pelas músicas, pelo clima, mas pela alegria daquele momento. Ver os olhinhos dela brilhando em algumas músicas, imaginar o que aquelas canções significaram pra ela… não tem preço. Queria ir hoje de novo … e a levaria de novo. Claro que também senti falta de algumas pessoas, sobretudo nas músicas mais românticas.

Paul fez um show para todas as idades, gostos e, claro, para apaixonados. Por muitos momentos meus olhos encheram de água. E eram lágrimas de felicidade por aquele momento supremo. Queria ir hoje, de novo, mas não posso: não tenho ingresso 😦

Deixo aqui uma das muitas músicas que me emocionaram:

All My Loving

Close your eyes and I’ll kiss you
Tomorrow I’ll miss you
Remember I’ll always be true
And then while I’m away
I’ll write home everyday
And I’ll send all my loving to you
I’ll pretend that I’m kissing
The lips I am missing
And hope that my dreams will come true
And then while I’m away
I’ll write home everyday
And I’ll send all my loving to you
All my loving I will send to you
All my loving, darling, I’ll be true
Close your eyes and I’ll kiss you
Tomorrow I’ll miss you
Remember I’ll always be true
And then while I’m away
I’ll write home everyday
And I’ll send all my loving to you
All my loving I will send to you
All my loving, darling, I’ll be true
All my loving, All my loving
All my loving I will send to you

Música do dia

I Saw Her Standing There – The Beatles

1 – 2 – 3 – 4 !
Well, she was just 17,
You know what I mean,
And the way she looked was way beyond compare.
So how could I dance with another (ooh)
When I saw her standin’ there?
Well she looked at me, and I, I could see
That before too long I’d fall in love with her.
She wouldn’t dance with another (whooh)
When I saw her standin’ there.
Chorus:
Well, my heart went “boom,”
When I crossed that room,
And I held her hand in mine…
Whoah, we danced through the night,
And we held each other tight,
And before too long I fell in love with her.
Now I’ll never dance with another (whooh)
Since I saw her standing there

Mais emails bizarros

Aliás, minha caixa de mensagens hoje estava uma beleza. Provavelmente porque não a limpei durante todo o fim de semana. Além do email sobre o Tio Valdecy, recebi também duas mensagens religiosas. Uma tentava me convencer a abrir a Bíblia para afastar o diabo. Outra, dizia que macumba só pega se estivermos na mesma faixa vibratória da pessoa que nos quer emacumbar. OK, os dois emails podem ser verdadeiros, mas, pelo meu bem estar, please, não me enviem este tipo de mensagem. Também não gosto de receber correntes. Não encha minha caixa postal com estas tranqueiras, combinado?

E a música do dia é…

… Tocando em Frente

Composição : Almir Sater e Renato Teixeira

Ando devagar
Porque já tive pressa
E levo esse sorriso
Porque já chorei demais

Hoje me sinto mais forte,
Mais feliz, quem sabe
Só levo a certeza
De que muito pouco sei,
Ou nada sei

Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs

É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir

Penso que cumprir a vida
Seja simplesmente
Compreender a marcha
E ir tocando em frente

Como um velho boiadeiro
Levando a boiada
Eu vou tocando os dias
Pela longa estrada, eu vou
Estrada eu sou

Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs

É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir

Todo mundo ama um dia,
Todo mundo chora
Um dia a gente chega
E no outro vai embora

Cada um de nós compõe a sua historia
Cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
E ser feliz

Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs

É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir

Ando devagar
Porque já tive pressa
E levo esse sorriso
Porque já chorei demais

Cada um de nós compõe a sua historia
Cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
E ser feliz

Autobahn – Walter Mancini Ristorante

Ontem fui numa BALADA em SP muito bacana:  AUTOBAHN !!! O lugar tem uma vibe retro e só toca músicas dos anos 80. O público é do tipo #gentediferenciada o que dá um plus ao lugar e, confesso, fez com que eu me sentisse em casa. Tem de um tudo: neguinho com espartilho e meia calça até homem de moletom. Uma beleza de lugar que me deixou descontraída até mesmo para fazer daqueles passinhos de dança cafona. ADOREI e pretendo voltar.

Com sou uma pessoa eclética e que frequenta de A a Z, praticamente uma cápsula de Centrum, rs, almocei hoje em um restaurante muito chique, do tipo onde #gentediferenciada não passa da cozinha: WALTER MACINI RISTORANTE. Uma vibe bem requintada, com música ao vivo (piano, violoncelo e bateria) e uma comida sensacional. Super recomendo a quem for para SP. O clima é bem romântico e o atendimento é 10.

Os agentes do destino

Ontem, no início da noite, fui ao cinema no shopping Frei Caneca, isso mesmo, em São Paulo, e assisti a um filme muito bacana: Os agentes do destino, com Matt Damon e Emily Blunt. O filme tinha tudo para ser um daqueles que nunca levariam meu dinheiro. A começar pela história doida de entra e sai em portas que levam a locais loucos, submundos, uma coisa bem de ficção científica.

Mas, para dar um tapa na minha cara, o filme fala de amor. E a história é contada de uma forma tão bacana, com um roteiro cativante, bem montado, perfeito. Isso sem falar na mensagem muito envolvente. Confesso, saí do cinema encantada e reflexiva: será que podemos mudar nosso destino? destino existe? por que algumas pessoas entram em nossas vidas?

Estou passando por um momento muito doido. Na verdade, há um ano, quando desisti do casamento tradicional, do lance da Igreja, vestido de noiva e de uma vida certinha e sem muitas surpresas …. entrei em uma fase de introspecção, de avaliação de valores, futuro. Tracei metas, algumas até de médio e longo prazo. Tudo muito diferente do que vivi nos últimos 33 anos.

Muitas coisas aconteceram e me obrigaram a mudar. E não falo apenas das mudanças físicas, reais, mas daquelas sutis, entendem? das mudanças invisíveis, quase que imperceptíveis.

Um ano após esta decisão intempestiva me vejo em um novo cenário. Fazendo coisas que até então eu criticava. Com muitas indefinições, claro, até porque não seria minha vida se o contrário fosse, mas um cenário feliz. Um cenário onde o AGORA tem lugar de destaque, onde aproveito melhor os momentos. Um lugar onde a culpa fica do lado de fora. Pode até ser utópico, mas, o mínimo que posso fazer, eu sei, é tentar.

Como estão as coisas? Ótimas. Tenho conhecido lugares e pessoas novas, me divertido. Trabalho, claro, continua no topo das minhas prioridades/preocupações, mas admito que minha vida pessoal está conquistando um quinhão de espaço um pouco maior. Diversão é preciso, meu povo.

Bem, voltando ao filme… vale a pena assistir não apenas pelo gato do Matt Damon, mas pela beleza da história, pela sensação de que o amor pode sim superar todas as barreiras, distâncias, dificuldades, planejamentos. saímos do cinema com a certeza de que temos de viver algumas histórias e que, não importa quanto tempo passe, de uma forma ou de outra, o destino colocará esta pessoa novamente em nossa vida. Bem romântico, eu sei, mas sou dessa vibe e, apesar de muitos não acreditarem, sou sim uma romântica incurável e que busca o amor… sempre.

Música do fim de semana

Every Breath You Take –  The Police

Every breath you take
Every move you make
Every bond you break
Every step you take
I’ll be watching you

Every single day

Every word you say
Every game you play
Every night you stay
I’ll be watching you

Oh, can’t you see

You belong to me
How my poor heart aches
With every step you take

Every move you make

Every vow you break

Every smile you fake
Every claim you stake
I’ll be watching you

Since you’ve gone I’ve been lost without a trace

I dream at night I can only see your face
I look around, but it’s you I can’t replace
I feel so cold and I long for your embrace
I keep crying baby, baby, please

Oh can’t you see

You belong to me

How my poor heart aches
With every step you take
Every move you make
Every vow you break
Every smile you fake
Every claim you stake
I’ll be watching you

Every move you make

Every step you take
I’ll be watching you
I’ll be watching you

BACK VOCAL

(Every breath you take
Every move you make
Every bond you break
Every step you take)
I’ll be watching you

BACK VOCAL

(Every single day
Every word you say
Every game you play
Every night you stay)

I’ll be watching you

BACK VOCAL

(Every move you make
Every vow you break
Every smile you fake
Every claim you stake)

Minha amiga Luciana, que sabe como AMO pagode (NOT), mandou a letra de uma música (?) bem bacana de um grupo chamado “Turma do Pagode”. Acompanhe como eles sabem rimar …

Se um dia eu disser que não te amo,
É que eu te amo ainda mais, pode acreditar
Se um dia eu disser que não te quero,
É que eu te quero o dobro ou mais, tenta imaginar.

Não sei mentir, meus olhos dizem mais que minha boca
Eu vejo que não tem saída, esse teu jeito meio louca,
Me faz feliz, amor que vai durar pra toda vida.

Eu não me separo de você mulher
Nem se a globeleza um dia me quiser
Se na Mega-Sena eu vencer
Fico com você, fico com você
Se no Barcelona eu for camisa 10
Me cobrir de ouro da cabeça aos pés
Mesmo assim se isso acontecer,
Fico com você, fico com você.

o quanto sua vida pode mudar?

Então, o quanto sua vida pode mudar em 4 ou 5 dias? Bem, a minha muda muiiito. Meu novo companheiro de baia aqui no trabalho já sacou a vibe e diz que minha vida é igual ao slogan da BandNews: “Em 20 minutos, tudo pode mudar”. Pois bem, tem sido assim nos últimos 33 anos e, sinceramente, que bom.

As novidades me movimentam, me deixam viva, feliz. Quinta fui surpreendida comuma viagem de trabalho para SP. Só tive tempo de comprar uma blusa e duas calcinhas e parti pro aeroporto. Nossa, que tudo. Além de ter sido produtivo no trabalho, foi também um avanço emocional grande. Voltei pro Rio feliz e passei em casa apenas para tomar banho, trocar de roupa e ir pro niver da amiga Luciana.

Me diverti muito na festa de boteco que ela armou lá em Bangu. Comida boa, bebida excelente, DJ divertido e amigos sinceros. De lá, voltei pra casa, tomei banho e saí. Fui parar numa boate no Leblon e, acredite, me diverti muito, conversei e bebi … muito, é verdade, mas foi bom.

Sobre relacionamentos

Vocês sabem que sou fã da Eliane Brum e dos textos que ela publica no site da Época. De uns meses pra ca fiquei também fã do Ivan Martins. Ele tem um jeito muito peculiar, doce, elaborado para tratar sobre o relacionamento homem-mulher. A coluna de hoje está bem gostosa. E concordo com ele. Não custa cedermos em alguns pontos para garantir o sucesso dos relacionamentos, mas não ceder para agradar. É preciso ceder por prazer. Isso mesmo, é preciso gostar de estar com o outro, curtir as coisas que o outro também curte e fazer tudo isso sem se violentar. Ninguém precisa abrir mão do jogo de futebol das quartas, né.
Boa leitura:
 

O motor das relações

IVAN MARTINS
É editor-executivo de ÉPOCA

Sexta-feira passada eu acordei antes das 6 da manhã para ver o casamento do príncipe William. Era trabalho, mas não foi um sacrifício. Preparei chocolate quente, sentei no sofá e fiquei assistindo, divertido. Eu e 2,5 bilhões de pessoas. O republicano que há em mim não deu sinal de vida, assim como o socialista que detesta hierarquias hereditárias. Curti o espetáculo sem culpa. Até um pouco comovido, confesso.

Dez anos atrás isso não seria possível. Eu teria feito questão de não assistir à transmissão e, se me perguntassem sobre o assunto, diria meia dúzia de sarcasmos sobre a realeza e seu público. Meus comentários seriam perfeitamente pertinentes, mas falhariam em remover o interesse das pessoas pelo casamento. Talvez ocultassem minha própria curiosidade. De qualquer forma, me privariam de conversas interessantes sobre a cerimônia, sobre os fundamentos das afinidades amorosas e sobre o mundo estranho e artificial em que vivem famílias nobres como os Windsor. Sobretudo com a minha namorada.

Uma das virtudes subestimadas das relações heterossexuais é que elas permitem contato com os sentimentos e interesses do outro sexo. Isso quer dizer a outra metade da humanidade. Uma mulher, uma namorada, mesmo uma amiga – se for próxima – nos tira das obsessões masculinas e nos põe em contato carnal com um universo diferente.

Esta semana, por exemplo, eu e meus amigos só temos discutido duas coisas nas redes sociais: o jogo entre Palmeiras e Corinthians e a morte de Bin Laden. Há uma ou outra mulher nessas conversas, mas elas são predominantemente masculinas. Na hierarquia do debate das ideias, Bin Laden parece mais importante do que a princesa Kate. Na verdade, não é. Equivale, em termos retóricos, a discutir Palmeiras versus Corinthians. Tem pelo menos a mesma função simbólica: confrontar o clã do outro, medir o tamanho do pau, avançar nada ou quase nada em esclarecimento e conclusões.

Essas situações reafirmam para mim a importância de conviver de perto com a diferença. Houve um tempo, no passado, em que me parecia desejável que as mulheres fossem parecidas com seus homens. Tentei e concluí que não funciona. Desde então, percebo que as mulheres que contam não se enrolam necessariamente nas minhas bandeiras. Com algumas concordâncias essenciais de ideologias e valores, elas têm universo próprio de interesses que as tornam mais atraentes. Pode ser música, casa, família, comida, beleza, moda, cavalos, cachorros. Pode ser amigos que nada têm a ver com os meus. O importante é haver troca. Em vez de ser um problema, a diferença é o motor da relação.

Uma história miúda para ilustrar. Outro dia eu fui com a namorada comprar sapatos para ela. É outro universo. Não há só marrom, preto e dois modelos básicos, com e sem cadarço. São 30 cores e 30 modelos. A escolha pode levar horas. Como era uma loja bacana, na tarde de sábado, sentei num banco do quintal e fiquei lendo. Me deram até uma taça de champagne. De quando em quando, aparecia a namorada e me mostrava o pezinho. Um modelo mais bonito que o outro. Eu não conseguiria escolher, mas ela, afinal, escolheu. E não foi chato estar com ela. Foi bom.

Dito isso, acho que os homens têm um pouco de medo do convívio com o feminino, sobretudo nessas formas simbólicas e caricatas. É como se a masculinidade fosse um verniz vulnerável à delicadeza das mulheres. Algo que pudesse ser contaminado ou corroído pelo contato. Na falta de uma definição moderna e não biológica para o que é ser homem, a gente se apega aos aspectos exteriores da função. Meio bestamente, eu acho. Como eu disse no início, uma das vantagens de ser hetero é conviver intimamente com a diferença. É aprender com ela. Aprender, por exemplo, que o casamento do príncipe pode ser tocante. E que comprar sapatos pode ser a coisa mais gostosa do mundo – desde que o seu time não esteja em campo…

(Ivan Martins escreve às quartas-feiras)