Para todo o sempre, amém.

“Mãe, falta muito pra chegar?”. Essa sou eu. Estou igual a uma criança em viagem longa de carro/ônibus/avião/canoa. Mas, no caso, a viagem é mesmo particular: minha dieta. Estou no segundo dia de séria restrição alimentar e já me pergunto: falta muito? Sim. Falta muito. E isso é meio que desesperador.

Pior é saber que tenho de mudar para todo o sempre, amém. Seria tão bom continuar levando a vida no #quesefoda, mas, infelizmente, a saúde não está colaborando e não sou o tipo de pessoa privilegiada que pode enfiar a cara na feijoada todos os dias sem engordar um grama sequer.

Além de não comer quase nada que gosto, passei a frequentar o banheiro bem mais do que poderia imaginar. Sério, parece que tudo o que bebo é eliminado em questão de minutos. Um saco. O médico disse que esta mijação toda vai acabar em uma semana. Oremos. Caso contrário, terei que vestir um fraldão e sair por aí. É muito incômodo ter que, praticamente, trabalhar no banheiro. Enfim, vida que segue. Reza daí que eu rezo daqui. Vai passar logo. #dia2 #inverno2016

Anúncios

Cocô de Rato: impossível comer um só      

Dias desses, no trabalho, passei por uma situação um tanto constrangedora. Uma colega ofereceu um biscoito feito de arroz, daqueles bem light, que costumam ter gosto de isopor. Ninguém quis experimentar. Mas, como pessoa bem educada, aceitei um biscoitinho.

Assim que mordi, exclamei: “É igual cocô de rato!”. Pronto, olhares recriminatórios recaíram sobre mim. As pessoas realmente acharam que eu comia cocô de rato. Tudo bem, podem até achar que tenho merda na cabeça, que sou doidinha e tal, mas acreditar que eu como cocô?? Como pode?

Explico: Em São Paulo ninguém conhece cocô de rato, aquele docinho que pode ser encontrado em 10 de 10 saquinhos de São Cosme e Damião. Como eles chamam cocô de rato? De pipoquinha de arroz. Ahhhhhhhhhhhh, me poupe. Cocô de rato é bem mais divertido. Sem contar que, de fato, o doce tem o formato das fezes destes bichos apavorantes que são os ratos. Bora mudar este vocabulário, paulistada. Tá difícil conversar com vocês.

cocooo

Doação de órgãos: não seja egoísta, sobretudo na morte. Doe!!!

doacaoSe tem uma coisa que não entendo é gente que bate no peito e diz em voz alta que não é doadora de órgãos. Daí pergunto: Vai usar o coração depois de morto? Fígado? Rins? Acha mesmo que se doar as córneas vai enxergar melhor do outro lado da vida? Simplesmente não entendo.

Ok, a pessoa tem o direito de ser egoísta, escrota o que for. Pode fazer o que quiser em vida, mas e na morte? Pra que ser egoísta na morte? Prefere ter os órgãos comidos por bichos do que ajudar outra pessoa? Sério, acho que esta gente que não é a favor da doação de órgãos não merece nenhuma consideração e respeito. Sim, eu sei que muitos são religiosos. Mas aí pergunto: que Deus é esse?

Já fiz algumas reportagens sobre doação, entrevistei familiares, pessoas que aguardavam nas longas filas, que haviam feito transplantes. É tudo muito chocante. O sofrimento destas famílias é tocante, singular, entristecedor. Não adianta que nunca vou entender uma pessoa que não consegue amar o outro a ponto de doar algo que não lhe serve mais.

Graças a Deus hoje quem decide pela doação dos órgãos no Brasil é a família. Já avisei lá em casa que vou doar tudo de todo mundo. Os meus também estão disponíveis, que fique bem claro. E doação de medula? Gente, é a coisa mais simples do mundo. Basta fazer um cadastro, tirar um pouquinho de sangue e pronto. O doador só é acionado caso seja compatível com alguma das 34935845 mil pessoas que aguardam na interminável fila. E a recuperação é tranquila. Dói? Sim, mas bem pouquinho. Vale muito a pena o sacrifício.

Registro também que é válida a doação de outros órgãos em vida. Quer maior gesto de amor do que tirar um próprio pedaço da carne e dar para alguém que amamos? Doação é vida, é gentileza, amizade, amor. Vamos doar, povo!

Ainda tá indeciso? Então clica aqui e aqui e fique por dentro do assunto. Informação nunca é demais.

O primeiro dia do resto da minha vida

tireoide

Hoje, 9 de outubro de 2015, é um dia especial. Sim, os astrólogos falam muito que hoje mercúrio volta ao seu curso normal e que isso será bom para todo mundo, sobretudo para os virginianos. Mas não me refiro à astrologia. Hoje é um dia especial porque comecei meu tratamento hormonal. Acordei às 7h, tomei um monte de remédios, esperei meia hora, tomei outros tantos. Uma rotina e tanto, mas importante. Além de colocar a casa em ordem, devo emagrecer. E isso é bom.

Nunca liguei para as gordurinhas. Nunca deixei de ir à praia/piscina de biquini. Sempre usei camisas regatas mostrando os braços gordos. Afinal, imagina se iria passar calor no Rio de Janeiro porque to com os braços gordos. Jamais!!! Sou uma pessoa do tipo #gordafeliz Caguei mesmo para a opinião dos outros com relação à minha forma física. Mas, acredite, muita gente passou anos apontando o dedo para mim, contando minhas celulites (que amo e fazem parte de cada coxinha gostosa comida rs) e até mesmo escrevendo ofensas aqui neste blog.

É chato? Sim. Mas gente maluca tem em todo canto, sabemos bem, e não vale a pena nem bater boca com elas. Sempre acho que, quando nos incomodamos muito com uma pessoa, devemos prestar atenção no que não está legal na nossa vida. É como dizem, inveja é uma merda. A pessoa pode ser magra e linda e, mesmo assim, invejar uma que é gorda. Por que? Porque a felicidade não está em uma balança, como sabemos bem.

Agora, sabe como é, chega uma hora que a idade pesa, os hormônios ficam totalmente descontrolados e começam a colocar a nossa saúde em risco, a nos causar problemas, pequenos e grandes incômodos. E é exatamente o que está rolando com meu corpo agora. Tenho hipotireoidismo e umas cositas a mais.

Depois de penar para encontrar um bom endocrinologista (teve um que não me pediu exames e disse que eu era gorda porque comia muito e que, certamente meu marido também era gordo. Ahahahaha, só rindo de um médico desse. Wellington é a pessoa mais magra que conheço e a que come mais. O cara ainda me passou uma fórmula milagrosa para emagrecer. Papel este que foi devidamente rasgado), enfim, consegui uma consulta com um médico maravilhoso.

gorduraEle é calmo, divertido, passa duas horas fazendo desenhos e me explicando todos os meus hormônios,como funcionam e afetam todo o funcionamento do corpo. Pediu 329843054 mil exames de sangue (foram mais de 20 tubos), sete exames de imagens, marcadores tumorais, TUDO o que você, caro leitor, puder imaginar. Descobri um monte de coisinhas chatas: nódulos, miomas. É como sempre digo, para tudo na vida há uma solução. To indo buscar a minha.

Prescreveu dezenas de medicamentos: hormônios, vitaminas e afins. Também farei uma dieta bem restritiva. Ele vai fazer o acompanhamento diário, via internet, e presencial uma vez por semana. Tentará modular todos os meus hormônios e isso é ótimo.

Do meu lado, posso prometer que cumprirei o tratamento à risca. Hora de colocar a saúde em dia e pensar no futuro, nos meus 80 e poucos anos, nas coisas que ainda viverei. Sim, mega difícil fazer este experimento. Sempre fui muito hoje, apenas o hoje e para sempre o hoje, mas a vida está me forçando a olhar pra frente. Então, vamos lá. Não sou de ficar parada. Vida que segue. Boa sorte para mim e, claro, para os que poderão lidar com as minhas mudanças de humor via hormônios. Já to até pedindo desculpas antecipadas.

Que horas ela volta?

filme

Sábado Well e eu fomos ao cinema assistir ao festejado ‘Que horas ela volta?’ e, sinceramente, o filme é mesmo isso tudo o que estão falando. É sensível, bonito, crítico e fiel. Impossível, sendo brasileiro, não conhecer nenhuma Val, a personagem de Regina Casé, que se mudou para São Paulo a fim de dar melhores condições de vida para sua filha Jéssica.

Ao longo dos meus 38 anos posso dizer que conheci,ao menos umas 10. To falando daquelas com quem convivi mesmo, das que foram empregadas da família, de vizinhos, parentes. São muitas Vals neste país. Não vou ficar aqui contando o filme, mas recomendo que assistam e façam uma boa reflexão sobre como tratamos as pessoas, sobre como educamos nossos filhos e sobre o que esperar de uma sociedade que age como os patrões da Val no filme.

Se você é do tipo que quer ir ao cinema,mas não quer pensar a respeito, vá assim mesmo. Vale a pena conferir a atuação de Regina Casé. Totalmente fora da caixinha, ela dá um show de interpretação.

2016 vem aí e vem com tudo!

O que posso dizer de 2016 que nem começou,mas já considero pacas? Pois é, essa semana inicio um tratamento hormonal com um endocrinologista que promete deixar todos os meus hormônios, que estão descontrolados, na medida. O processo vai ser longo, chato, custoso, exigirá uma série de cuidados e restrições, mas promete, viu. A ideia é ficar como a cadela da foto rs: magra!

eu

Vou me livrar do hipotireoidismo e outras coisinhas a mais. Farei uma dieta bem restritiva e que tem tudo para me deixar com raiva da hora do almoço. Comprei até uma balança (algo que eu já havia abolido da minha vida há alguns anos) Tudo dando certo, serei uma pessoa com alguns bons quilos a menos e a saúde em dia.

Em seguida, irei me preparar para uma cesária, isso mesmo, uma cesária rs. Não, definitivamente, não estou grávida, mas preciso tirar um mioma bem grandinho do meu útero e o médico vai mesmo meter a faca. Ele avisou sem dó ou piedade. Ou seja, começarei 2016 novinha em folha. A Renata 3.8 versão 2016 vai bombar. A conferir!