10 anos deste blog!!!

velas-dez-anosE hoje me dei conta que este blog completa 10 anos em agosto. Isso mesmo, 10 anos. Caramba, há quanto tempo escrevo nesta plataforma (não vou citar o Reflexões Victais para não me sentir tão velha). E, olha, com tanta correria do trabalho, horas e horas no trânsito, saber que ainda tenho este lugar é reconfortante.

Aqui fiz grandes amigos, pessoas que trouxe para o mundo real, que se abriram comigo, com as quais me senti livre para falar meus maiores medos. Também criei alguns desafetos, é verdade, mas eles são a minoria. Tantas e tantas histórias passaram por aqui. Até amigos eu aproximei e casei via blog (já separaram, mas faz parte né).

Há alguns meses um destes leitores veio cobrar mais posts e mais histórias engraçadas. Gente, não tenho mais 30 anos. To batendo na casa dos 40, amigos casados, eu mesma casada… a vida não tem tantos causos estranhos. Sem contar que eu também não sou mais aquela menina, né? Tudo muda. E ainda bem.

Como adoro uma festa, já pensei em organizar uma no próximo fim de semana, quando estarei no Rio. Que tal? 10 anos não são 10 dias né. Bora comemorar!!

Anúncios

Para onde estamos indo?????

caminhos

O sentimento é o mais estranho possível.Revolta? Não. Decepção? Também não. É uma tristeza mesmo, uma melancolia, um sentimento de vazio. É assim que costumo me sentir todas as vezes que aposto em algo errado ou em alguém que eu prezava muito e que dá uma bela pisada na bola comigo. E, pode acreditar, não foram poucas as vezes em que isso aconteceu. Inclusive na família. E continua acontecendo. A impressão que tenho é que não há antídoto para este problema, não há defesa. Nem mesmo o tempo nos dá jogo de cintura para lidar com algumas situações.

Acho também que sou um pouco mestre na arte de escolher caminhos errados. Sim, há de ter alguma explicação plausível para tanto. Qual? Ainda não sei. Talvez descubra algo daqui a alguns anos.

A única certeza que tenho hoje é das coisas que realmente quero e do que é importante para mim. Sim, isso já é bastante, estou no caminho certo. O que preciso fazer? Arregaçar as mangas, fazer uma bela faxina em minha vida. É certo que já comecei este caminho. Longo, diga-se de passagem, mas um caminho extremamente necessário.

Daí você, que me lê com carinho, deve estar se perguntando: “Mas de que diabos a Renata está falando?” Quer mesmo saber? Bem, pouco importa. Motivos não me faltam, acredite. E você, leitor, também já deve ter passado por situações semelhantes, ter sentido o mesmo.

Sabe quando a gente é alvejado por tiro de todos os lados. Por isso, fica aqui apenas um momento de reflexão de que precisamos, cada vez mais, valorizar as pessoas que realmente nos amam. E falo aqui daquele amor incondicional. Do amor de quem nos respeita e nos admira pelo que a gente é e não pelo que tem ou pelo que aparenta ser. Eu aparento ser um tanto de coisas, eu sei, mas estou longe, bem longe, de ser o que a maioria pensa de mim.

Certamente passo mensagens erradas. Grande falha que tenho tentado corrigir (vai aparecer meia dúzia de amigas dizendo que estou fazendo uma avaliação errada sobre a minha pessoa, mas acho que estou sendo realista mesmo). É muito complicado, beirando os 39 anos de vida, ter que reaprender a ser gente, a falar, se posicionar, a agir e reagir a determinadas situações. Que impotência!! Que coisa estranha!!

Que mundo extremamente caótico e bipolar este em que vivemos. Cada vez mais pessoas matam por religião e até mesmo por um pretenso amor. Onde já seu viu… matar por amor?? Pois é, mas acontece. E há quem morra (se mate) pelo mesmo motivo. Não entendo, definitivamente, eu não entendo.

Há quem diga que o problema é a falta de religião. Mas essa é uma desculpa que não me desce, fica aqui, entalado na garganta mesmo. Vejo tantos pregadores por aí cometendo os maiores pecados, até mesmo sobre a vida. Está tudo fora da ordem.

Tenho muitos amigos perdidos também, que não gostam mais de seus trabalhos, de suas famílias, que pensam em mudar completamente o que fazem, alguns até já trilharam este caminho. Mas os problemas não são apenas de ordem financeira, de trabalho…

São crises existenciais. Vejo gente que não sabe para onde ir, olhar, não tem ideia do que fazer. Neste sentido, me sinto até privilegiada. Sei que estou no meio do tiroteio, mas sei de quem (e do que devo) me proteger.

Espero achar uma solução para meus problemas e espero que meus amigos também encontrem seus caminhos. Até porque, na maioria das vezes, a gente não sabe mesmo para onde está indo. Vamos, ao menos, curtir a viagem.

Feliz Ano Novo!!

Feliz Ano Novo, cambada! Isso mesmo, o ano começou. E não apenas porque acabou o carnaval, mas os sábios chineses comemoram a chegada do ano novo lunar e o ano do macaco. O que isso significa ? Bem, para você, eu não sei, mas li bastante a respeito daquele que será o meu ano do macaco. Te contar que fiquei bem animada. Viva o ano do macaco!!!

Aliás, aproveitando a energia do ano novo, de novo, porque não pararmos para refletir um pouco sobre o que temos feito da nossa vida? Este carnaval foi frenético, não pela quantidade de blocos e folia a que fui, mas pelo tanto de informação que recebi. Soube de alguns babados, como diria o Ego, e fiquei de queixo caído. Não pelos babados, mas pelas reações das pessoas aos acontecimentos.

Juro que, por mais que tente, não consigo entender pessoas que semeiam a discórdia e esperam colher flores. Queridos, no máximo os espinhos. Depois, assisto a diversas publicações de lamentos nas redes sociais, sobretudo no Facebook. O que esse povo espera? Falam mal dos outros, fazem e acontecem, e, depois, quando os amigos viram as costas, decidem posar de santo na internet? De vítima? Gente, é hora de agir como maior de idade e assumir as atitudes que tem. Ninguém é idiota por muito tempo.

Falou mal dos outros? Ajudou a encobrir traições? Traiu? Agora, aguenta. Não adianta bancar o santo (a). É o que sempre digo, pode demorar, mais as máscaras sempre caem. A verdade aparece. Também não adianta colocar foto feliz na internet se a vida é uma bosta. Propaganda enganosa, uma hora, acaba por ser descoberta. Família margarina? Até quando? Feliz a todo segundo? Jura? #acordapravida.

Se estou dando o recado para alguém específico? Não. É pra uma galera mesmo, para o coletivo, porque a quantidade de sacanagem que tenho visto é tamanha, não dá para personificar em uma única pessoa. Reclama-se muito dos políticos, disso, daquilo, mas olhar para o próprio umbigo, cuidar da própria vida é diferente né, é dolorido, não é para todos, mas deveria.

Sim, você, cativo leitor, quer saber sobre o que exatamente estou falando, mas, por envolver menores de idade, me reservo o direito a não entrar em detalhes. Sem dúvida, os envolvidos, caso leiam este blog, irão se identificar.  Que o ano do macaco e esta energia de recomeço que paira no ar possam fazer com que as pessoas reflitam um pouco sobre o que ganham/perdem quando fazem mal aos outros. Na minha modesta opinião, não vale a pena. Não dá para ser feliz em cima da tristeza alheia, este é o tipo de felicidade que nunca quis, que nunca me interessou.

Não gosto de gente vazia, de gente que curte colocar lenha no fogo alheio. Cuidem das suas vidas. Se quiserem cuidar da minha ou de qualquer outro, agradeço,mas façam isso cuidando do nosso planeta. Cuidem dos bens comuns a todos e não da vida de A, B ou C. Olhem para dentro e façam algo pela coletividade. Sejam felizes. É de graça, não custa nada. Tentem! Feliz Ano Novo!

macaco 2

 

 

Feliz Aniversário, Lilica

Hoje é também um dia especial porque é aniversário de uma das minhas melhores e mais antigas amigas, a Liliane. São mais de 25 anos de amizade, lealdade, parceria, risadas, lágrimas e companheirismo.

Durante todo estes anos, muitas foram as viagens, papos, dificuldades. E, mesmo sem estar ao lado dela todos os dias, sei que a Lilica é o tipo de amiga que terei por toda a vida e com quem poderei contar sempre. E a recíproca é mais que verdadeira.

Então, registro aqui, meus mais sinceros votos de felicidades para esta amiga. Que 2016 seja um ano mágico para ela. Será!!!

bolo

As amizades e o caminho

sementeUma coisa é certa: NÃO VIVO SEM AMIGOS. Sim, tem gente que consegue, mas fico arrepiada só de pensar nesta possibilidade. Talvez a parte mais complicada da minha mudança foi ter deixado amigos e parentes (os que considero amigos, claro) para trás. Tá, ok, vão dizer que não deixei ninguém para trás e que estou sempre em contato com eles via whats app, facebook, twitter, telefone … MAS NÃO É A MESMA COISA. Também não vale dizer que tenho o Wellington. Por mais que ele seja maravilhoso e esteja sempre presente para ouvir minhas histórias, NÃO É A MESMA COISA.

Amigo bom aquele que está ali, ao seu lado, olhando nos seus olhos enquanto você conta os maiores absurdos ou desgraças. É o que te abraça de verdade, sabe. Que te dá esporro. Que conta um segredo super cabeludo. Aquele com quem se pode falar ao pé do ouvido. E é com dó no coração que confesso não ter fiz nenhum destes aqui pela banda de SP. Melhor, fiz, mas a pessoa se mudou pra Suíça. Assim fica difícil, né Karen rs

Não to dizendo que joguei fora meus amigos. NUNCA. Tenho poucos e bons amigos de verdade e os levarei para a vida. Mas sinto falta deles. Queria um clone de cada um aqui em Campinas. Como a tecnologia ainda não permite abraços virtuais que, de fato, sejam reconfortantes, estou na missão “fazer amigos”. Diria que tenho alguns resultados positivos e que, se tudo continuar da forma que está, terei em breve muitos bons amigos.

Um desafio, eu sei, mas gosto de aventuras. Se fosse mais nova, certamente já teria um milhão de novos amigos. Mas, sabem como é, a idade nos deixa com o pé atrás. A gente ouve uma história, conta uma coisa aqui, outra acolá e vai caminhando, meio que patinando, neste novo terreno.  Se tem uma coisa que aprendi nos meus 37 anos foi ter paciência para esperar a nova safra. Já plantei as sementes. Resta esperar.

A vida em São Paulo e a saudade do Rio de Janeiro

Mudei há 7 meses. Não parece, eu sei. A sensação é a de que cheguei ontem aqui em São Paulo. Não que sete meses não seja muito tempo. É sim tempo suficiente, mas a cidade é tão grande, empolgante e tem tanto a oferecer que sinto como se não conhecesse nem 1%. Tenho a sensação de que estou sempre perdendo algo, sempre por fora do melhor bar, restaurante, balada, show. ÉTUDOAOMESMOTEMPOAGORA!!! Paranóia total… deve ser o trânsito ou a poluição.Sei lá.

Talvez essa sensação se acentue porque também vivo em Campinas. Ou seja, tenho duas grandes cidades a conhecer, lembrar as ruas, descobrir melhores caminhos para fugir do trânsito, atalhos e, claro, fazer amigos. Aliás, fazer amigos é algo bem difícil em Sampa ou mesmo em Campinas. Não vejo por aqui aquela descontração do amigo do amigo do amigo que acabou de te conhecer e logo te chama para tomar um chope em qualquer esquina do Rio de Janeiro. Não que não tenha feito amizades, mas é bem diferente. Sempre ouvi falar que seria assim, mas vivenciar é mesmo uma experiência pessoal e intransferível. Não estou dizendo que é uma experiência ruim, mas é bem diferente.

Do que sinto falta? Do Rio, claro, de sua paisagem, da praia, das montanhas, do clima, dos amigos verdadeiros e, sem a menor dúvida, da minha família. Por mais que a gente reclame de ter que ir na casa da mãe ou da sogra aos finais de semana, é morando longe que a gente sente falta desses momentos. Tá certo, existem milhões meios de comunicação hoje em dia e o Whats App é um dos meus maiores aliado, mas não é a mesma coisa. Por mais que tenhamos à nossa disposição ícones e emoticons variados, não dá pra sentir cheiro, abraçar ou expressar devidamente aquela emoção sentida.

cropped-vidaaa-151.jpg

Morar longe significa ainda perder boa parte das conquistas e alegrias dos parentes, não acompanhar o crescimento da sobrinha, não ajudá-la com o dever de casa, com as provas do semestre, não presenciar os ataques de histeria deste ou daquele familiar. Acredite, até mesmo dos ataques de histeria a gente sente falta. Morar longe dá um novo sentido à palavra saudade. E olha que eu pensei entender de saudades, afinal o Wellington passou um ano na Austrália.

Mas e o lado bom de estar longe do Rio? Existe? Sim! O único lado realmente bom é poder voltar. Não que a vida aqui não seja boa em Campinas/São Paulo, pelo contrário. E estou amando cada segundo e curtindo a experiência. Mas, sim, os poucos dias que passo em casa, no Rio, são mágicos. A gente quase nunca briga com os parentes, é tudo lindo, festivo, bonito. A cidade meio que nos abraça.

Por mais dias que possa ter de folga, eles sempre são insuficientes para matar a saudade de todos, para ir a todos os lugares, revisitar os cantinhos mais queridos … Bem, vou parar o texto por aqui, to ficando sentimental demais. O importante é pensar que o Natal está chegando e, em breve, estarei na minha cidade maravilhosa e cercada de gente especial. Que venha 2015!!!

o-que-eu-faco-com-a-saudade-tem-dia-que-faco

Amo minhas amigas

Na linha de deixar claro meus sentimentos por todos com quem me importo, deixo aqui registrado minha profunda admiração pelas minhas amigas de todas as horas. As que vejo sempre, as que não encontro nunca. Amigas que estão ali, sempre a postos. As do chat diário e as que vejo/falo raramente. Obrigada por fazerem parte da minha vida, por dividirem seus problemas comigo e ouvirem os meus. Obrigada pelos conselhos e até mesmo pelas brigas.  Obrigada pela mãozinha nas horas de desespero e também pelos muitos momentos de diversão.

Outro dia recebi um email de uma dessas amigas com várias fotos minhas. Fotos, claro, que eu nem lembrava da existência. Fotos do passado, fotos de diversos momentos da minha vida. E o que elas tinham em comum? A presença de amigos.  Claro que a gente encontra muita tralha pelo meio do caminho, mas faz parte. É preciso aprender a separar o joio do trigo, saber em quem podemos mesmo confiar, a quem acatar os conselhos. Quem de fato quer o nosso bem? parece uma pergunta simples, mas a resposta nem sempre é tão transparente.  Como saber quem presta? Siga seu coração. No fundo, a gente sempre sabe.

 

Sobrevivi

Caros amigos, sobrevivi aos festejos dos meus 35 anos. Na verdade, hoje recebi um email com as fotos dos 30 anos da amiga Luana e percebi, na verdade, que eu tenho de agradecer por ter sobrevivido à festa dela. Jesus Maria do Céu. Depois de ter vistos minhas fotos na festa sou super solidária à Lindsay Lohan, Britney Spears e Paris Hilton. Não se pode mais tomar um pilequinho em paz. Milhares de flashes registraram momentos que, sinceramente, não fossem as fotos, eu teria dito que não tinha feito ahahahah Trash total e 100% divertido.

Mas, voltando aos meus 35 anos. Foi muito bom comemorar ao lado de parentes e amigos queridos. Me diverti bastante e senti falta de apenas uma pessoa: meu namorado. Mas, tudo bem, daqui a uns dias embarco para a Austrália e resgato o moço.

 

Cinquenta tons de cinza

Olha, começo dizendo que acho uma puta sacanagem o fato de a venda de Cinquenta tons mais escuros só começar em 15 de setembro. Como ficarei até lá? O que faço com minha curiosidade? Estou apegada à Christian Grey e Ana Steele. E sim, o livro me deixou um tanto perturbada. Sorri, chorei, me emocionei de fato. Consegui imaginar os personagens, vivenciar seus dramas, medos, suas alegrias. E tudo isso é mérito da autora: Erika Leonard James.  Não concordo com a ‘crítica’ de que este seja um soft porn para mulheres. Classificar o livro como pornografia feminina é desmerecer e, digo mais, é um recibo de que não entendeu a história.

Muito mais que cenas de sexo, o livro aborda questionamentos como: ‘qual o meu limite?’, ‘como é possível se apaixonar tão rápido?’, ‘por que o outro me abala tanto?’, ‘por que me sujeito a isso ou aquilo?’ … entre muitos outros questionamentos e não estou falando de sexo. Relações são muito mais que sexo. Ainda estou absorvendo o livro. E, sim, é uma história de amor.    

Amigas e rivais

Sim, roubei o título de uma novela cafoninha para escrever sobre amizade. Há algum tempo venho analisando o comportamento de algumas pessoas. Todos sabem que adoro fazer isso. Na verdade, analisar coisas é um dos meus passatempos prediletos. Bem, voltanto ao tema, tenho notado um número crescente de falsas amigas. Elas estão em todos os lugares. Sei lá, parece que, à medida que crescem o número de amigos nos Facebooks da vida, as relações humanas se tornam mais fracas, frágeis e movidas por inveja e falsidade. Nada do que se vê é real.

Coleciono alguns casos. E, olha, nem estou falando de experiências pessoais. Aqui no trabalho, por exemplo, tinha uma menina muito meiga, prestativa, do tipo de que nunca me enganou. Ela vivia dizendo para algumas pessoas “Fulana, quando crescer, quero ser igual a você. Você é tão linda, inteligente, blá, blá, blá whyskas sachê”. Sempre achei isso muito estranho, mas, sabe como é, minha mãe me deu uma boa educação e sempre tratei a tal pessoa com respeito.

Até que esta pessoa resolveu contar que tinha dois namorados e explicava, como se isso fosse o máximo, como fazia pra dar volta nos dois otários. Depois a história ficou pior: a pessoa começou a sair com alguns, isso mesmo, no plural, alguns gerentes casados. E, como a merda era pouca, ela contou que estava saindo com o marido de uma amiga. Sim, isso mesmo, você não leu errado. Além de ter 2 namorados e dar pra vários gerentes, a tal menina-gente-boa-educadinha-com-cara-de-santinha estava tendo um caso com o MARIDO de uma AMIGA. OI? Nem ética a pessoa tem né. Ali, parei de tratar bem a pessoa, fechei a cara mesmo. Este tipo de gente não me interessa.

Aí, caro leitor, você deve estar pensando que a tal menina é linda, gostosa e … nada disso. Uma menina muito da sem graça, sem sal, que se vestia mega tapadinha, passanto praticamente uma imagem de virgem-santa-crente. Pra mim, o cúmulo do mau caratismo era ver a tal menina tomar café da manhã todos os dias na mesa de trabalho da mulher de seu amante, se fazendo de amiga e toda trabalhada na linha “te admiro muito, você é uma mulher muito forte, …”.

Com o tempo, muita observação e conversa com a vítima, descobri que a tal falsa amiga é, na verdade, uma psicopata. Ela queria TUDO da amiga. Queria o trabalho, a casa, o carro, a vida, o marido. Muito triste. Muita doença. Mas, o mal já foi cortado pela raiz e a tal menina não trabalha mais conosco.

Enfim,  este é apenas um dos casos onde a falta de estima subiu à cabeça e deixou a pessoa doida mesmo. Outra coisa que me irrita, e já escrevi sobre isso algumas vezes, é o tipo de amiga que some quando arruma namorado. Pior, some, escolhe uma amiga-vítima e começa a ligar para um grupo de amigos em comum para queimar esta pessoa. Vergonhoso, não? Será que a pessoa não percebe que as outras pessoas do grupo reprovam esta atitude? Que ninguém compra a tal história?

Sabe o que é pior, isso é tudo fruto da insegurança. A começou a namorar B, parou de falar com C, porque C é uma pessoa muito bonita, e daí , sabe como é, bateu um medo de ser traída, então A decidiu ligar pra D, E, F e G pra falar mal de C, que, até então, era uma de suas melhores amigas. Motivo? INVEJA, MEDO, INSEGURANÇA. Tudo isso velado, claro. Jamais, em tempo algum A irá admitir que possui tais sentimentos por C. Acha que C, com sua beleza, vai dar em cima de B.

Na booooa, A não percebe que, se quiser, B pode dar em cima de qualquer letra do alfabeto? Passar o pau e que nada impedirá isso? E que tipo de amiga é A? Do tipo que some quando consegue qualquer namorado, e, pior, do tipo que desdenha dos amigos, que faz de tudo para causar um desconforto em um grupo, que planta inimizades. Do tipo que precisa excluir o cara, tirar ele da frente de qualquer mulher bonita. Sabe como é né, vai que … ah, vai pra porra, né. Insegurança assim deve ser tratada com terapia e, em alguns casos, até com remédios mesmo.

Tem também o caso de mulheres que se sentem ameaçadas pelas amigas do namorado e decidem afastar o cara dos amigas. Que atitude mais infantil. Gentem, medo do passado. Alowww, cada um tem uma história. Eu não me incomodo com o fato de meu namorado ligar para ex, falar com ela e tal. Se ele quisesse mesmo a pessoa, estaria com ela, não? Simples assim. Nunca me incomodei com isso. Nunca exigi que um namorado se afastasse dessa ou daquela amiga, por mais que eu não gostasse de uma ou outra. Bora crescer, meu povo?

Outro caso bastante comum é o de mulheres bonitas, mas inseguras, que tentam a todo custo desmerecer a qualidade de uma ou outra amiga. Ficam caçando defeito mesmo, tentando colocar a outra pra baixo. Algumas, de tão desesperadas, estampam em seus rostos sorrisos cada vez maiores, se tornam as pessoas mais prestativas e solícitas do mundo e, quando podem, apunhalam a amiga pelas costas. E a apunhalada por vir de formas variadas, mas as formas mais comuns são mesmo a intriga e a fofoca. Que vergonha, mulheres. Vocês realmente precisam agir assim? Terapia, por favor. Aliás, o governo federal deveria lançar o bolsa-terapia porque, te contar hein… só tem gente doida por aí.

Só posso agradecer… pensar… dormir…

… por hoje ser sexta-feira e por terça ser feriado. Vou aproveitar muiiiito estes dias de folga. E, sinceramente, não to me importando com a previsão de chuva. Quero mesmo é dormir, me enrolar num edredom e ali ficar, por horas, dormindo, pensando, refletindo.

De uns dias pra cá tenho me sentido um tanto incomodada com o rumo de algumas coisas na minha vida. Tudo muito rápido, muito acelerado. Pior, tudo muito superficial. As relações humanas estão por um fio. Descartamos coisas/pessoas como num passe de mágica. Isso sem falar com a clara percepção que tenho da falsidade. Nossa, alguns se vendem por pouco, tão pouco, e se submetem a situações vexatórias por migalhas, incluindo aqui as migalhas de amor.

Estou profundamente  incomodada com relatos sombrios de algumas amigas sobre seus relacionamentos amorosos ou mesmo sobre a falta deles. Sempre mais do mesmo. Há quem tope fazer programas chatos, receba tapas, se exponha a brigas mil só pra ter um parceiro ao lado, para ter quem apresentar em festas de família. Isso é tããããão pequeno.

A vontade que tenho é de dar um tapa na cara destas pessoas e gritar: Aloww maluca, acorda. Este cara simplesmente não está a fim de você. Ele te trai. Ele tem pau pequeno. Ele não te merece. Ele não respeita suas vontades. Ele ignora suas amizades, sua família, seus pensamentos, seus anseios. Ou seja, ele ignora tudo o que você era antes de conhecê-lo. O que está fazendo ao lado de uma pessoa assim?

Infelizmente me falta coragem para jogar tão abertamente com algumas amigas. Já com outras… bem, com outras menos queridas e infiéis prefiro não falar nada mesmo e deixar que continuem com trastes. Uma espécie de castigo, se é que me entendem. Maldade mesmo rs.

Há ainda a preguiça dos falsos julgamentos morais. Gentem que diz “acho um absurdo fulana ficar com ciclano” ou “Jamais faria isso xxx”. Como assim?? Por que tanto julgamento? Ok, julgue, mas não espalhe. Guarde algumas coisas só para você. E não me tire por suas pequenez. Aliás, não julgue ninguém pela sua incapacidade. Argumente, sempre!

Enfim, por tudo isso e muito mais sinto necessidade de dormir o sono tranquilo. Me acordem na quarta. Obrigada.

Amo meus amigos

Que lindos: Claudinha e Jorge acabaram de sair da minha casa. Foi tudo de bom. O papo, a alegria, as reflexões. Espero que minha amiga passe a madrugada acordada, pesquisando passagens aéreas para Buenos Aires e que dê um rumo louco, repleto de aventuras em sua vida. Muito feliz por ela. Muito orgulhosa dele: cara fiel, espirituoso, maravilhoso e mega generoso. Obrigada Senhor pelos meus doces amigos.

PS: to babona, eu sei, mas é a felicidade que transborda.

HJ..

Estava eu lá, encostada no metrô, esperando as estações passarem, qdo vejo, em minha frente, uma graaaande amiga de faculdade. Na verdade, ela era meu super ego. Isso mesmo, to falando da Roberta. A moça agora trabalha no Centro e já almoçamos juntas. Muito bom reencontrar amigas de verdade e que nos querem bem. Uma bênção.

$$$$

Não sei se é um problema meu ou se geral tem o mesmo sentimento: Quanto mais dinheiro ganho, mais gasto. É impressionante. E não estou falando de gastos corriqueiros, mas surgem novas contas, inúmeros aniversários, eventos e tal. Aliás, tenho uma grande dificuldade em declinar eventos pelo simples motivo de adorar encontrar meus amigos.

Na terça, por exemplo, tive uma noite ótima com duas amigas: Silvia e Fernanda. Falamos de tudo. De coisas sérias, como saúde e trabalho, e as mais divertidas, como homens e histórias sórdidas.

Aliás, como hoje é véspera de feriado, já estou contando com uma looonga programação. Só não sei se terei disposição e grana pra tudo. Prometo tentar.

Esqueci…

… de comentar que outro dia fizemos lá em casa um festival de sorvetes. Foi o máximo. Reunir bons amigos, comer muitos, variados, deliciosos sorvetes e confeitos foi bem bacana. Fica a sugestão para quem quer fazer algo diferente em casa.

Para facilitar a limpeza da área, eu e Kadu compramos copos plásticos de 400 ml e talheres tb de plástico. Assim, quem quisesse mudar o sabor, as caldas e afins sem fazer muita lambança bastava jogar o copinho fora. Tb reduziu absurdamente o volume de louça pós evento. Ah! Para conseguir bons preços, fomos a um atacado.

Rendeu boas risadas e ainda serviu de cenário para que um dos amigos anunciasse que seria pai. Perfeito né.

Sobre o conformismo

Neste último finde, a Rosana Herman escreveu um belo texto sobre o não conformismo de algumas pessoas e como devemos nos afastar delas. Roubei descaradamente alguns trechos, que coloco neste post em vermelho. Perfeito:

“As pessoas são o que são. Algumas não mudam, porque não se conformam.
Conformar-se é adquirir a forma. A água se conforma. Conforme você coloca a água, ela fica. Se você a coloca numa jarra, ela fica adequada à jarra. Ou a um copo. Ela é fluida.
Há pessoas que não são fluidas. São duras. Duras, fechadas, não se amoldam.
Insistem na mesma forma.
Quando erram, podem até admitir. Por pouco tempo. Não se conformam com o erro. E começam a procurar pelo em ovo. Ficam explicando mil razões que justifiquem o erro. Porque não aceitam que erraram.
Partem para atacar a vítima.
Uma forma fácil de identificar pessoas não fluidas é essa: a culpa é sempre do outro. Sempre. Até o estuprador que ataca acha que a culpa é da moça, por ser jovem, ou bonita. Ou por usar roupas provocantes.
Há pessoas que são assim. Não aceitam. Não se adequam.
São aquelas que sempre tem um ‘é, mas’. Não existe o É. É sempre  ‘é, mas…’
Não se arrependem, não se desculpam de verdade. Apenas se ‘explicam’. Não sentem a dor de outro. Porque não são capazes de sentir empatia, compaixão. Pensam nelas, sempre nelas, só nelas.
Nascem e morrem do mesmo jeito, como se a vida não servisse pra nada, nem pra aprender o mínimo.
Tenho pena dessas pessoas.
Mas tenho mais pena de mim, quando cruzo com uma delas.
A solução? Distância.
Ignore-as. Suma de seu caminho. Não fale, não responda, evite-as.
Dá muita raiva, revolta, vontade de responder. Conte até cem, dê uma volta. Não caia na armadilha da aranha. Ela tece a teia apenas para isso, para capturar você.
Pessoas com um objetivo só, uma ideia fixa só, um pensamento só, são extremamente perigosas.
Num mundo mutante onde nada fica, não dá pra encarar alguém que insiste na mesma tecla.”

Não sei quanto a vocês, mas eu conheço algumas pessoas que não se conformam e, sinceramente, estou de saco cheio. Não quero este tipo de gente na minha vida. Gente que não muda, que não aceita, que só olha para o próprio umbigo. Tenho um horizonte, objetivos,  projetos. No entanto, nunca deixo de olhar para o presente, para o bem-estar das pessoas que convivem comigo. Olhar em volta, sabe, e, claro, me adaptar ao cenário. Isso é fundamental e uma bela demonstração de respeito, carinho e atenção com os outros. O que fazer com quem se acha dono do mundo? Mandar um beijo e não me liga. Vou seguir o conselho da Rosana, que nem me conhece, mas parece me entender, e dar um tchau em definitivo para algumas pessoas. Eu mereço !!


Tenho…

…. andado um pouco longe do cinema, mas esta semana consegui uma brecha na agenda e fui com o Kadu. Vimos “Idas e vindas do amor”. O filme é bacaninha, totalmente mulherzinha, mas saímos do cinema com a impressão que eram tantos os personagens, que algumas histórias não tiveram muito apelo, tempo. Sei lá, ficou meio inacabado. Sem contar com as dezenas de clichês. Se indico? Claro. Cinema quase sempre é a maior diversão. Se vc não quiser pensar por duas horas, vale sim gastar alguns reais com este filme.

Podem….

… me criticar, mas gosto de assistir à Fazenda e ao BBB. Inutilidade pura, eu sei, mas tem tanto coisa ruim na Tv que uma a mais, uma a menos… que diferença faz. Ao menos não fico boiando quando estes assuntos surgem na mesa de bar…

… falando em mesa de bar, esta semana marquei um chope duas vezes com uma amiga, mas o tempo ruim cancelou os encontros. Literalmente: água no chope. Uma pena. Vamos tentar novamente na semana que vem porque, vcs sabem, somos brasileiras e não desistimos nunca.

Fodaaaaaaaaaaaa

Hj fiz algo que sempre tive vontade, mas nunca rolou oportunidade. O que fiz? RAFTING !! E foi muito legal. Tá certo que no meu bote 3 pessoas não remavam direito, mas dei meu sangue com kadu e Monique e conseguimos fazer um percurso bacana. O grupo de amigos ajudou bastante: 13 pessoas. Sobrou animação. Aliás, para esta galera o que sobra é disposição. O próximo passeio é de Kart em fevereiro, depois é asa delta, rapel e afins … ah e o último meu casório, em dezembro !!! Foda!!!

PS: Qdo enviarem as fotos do passeio, publicarei algumas aqui

Posso estar maluca,…

… mas simplesmente não consigo entender pq algumas pessoas agem de determinadas maneiras, como suicidas emocionais. Tenho uma amiga  X. de 35 anos, separada, sem filhos, bonita, inteligente, generosa, divertida, mora sozinha e tem um mega salário. Pois bem, ela namora há 2 meses um cara de 39 anos, também separado, com uma filha. Diz que é um ótimo pai e que já se imaginou tendo filhos com ele.

Eis que na semana passada ela descobre que ele mantém contatos por e-mail com uma amiga dela. A amiga claro, não sabe do namoro de X. com o mané de 39 anos. Ela ficou surpresa, decepcionada,… daí teve a ‘brilhante’ ideia de criar um mail falso e mandar para o malandro.

Se descreveu como uma mulher loira, designer, moradora de Ipanema. Separou até a foto de uma amiga gostosona caso a mesma seja solicitada. Ontem, qdo me contou seu plano, avisei “X. pra que mandar este mail? O que vc ganha com isso? Melhor dar logo o pé no cara. A chande de se ferrar é grande. Isso só trará mais sofrimento”. Ela, claro não deu ouvidos.

Eis que hoje o malandro responde ao mail meeega empolgado. Diz que é solteiro e que está procurando alguém bacana. Soco no estômago de qq um né. Mas, eu avisei. Ela não precisava passar por isso. Agora está mais deprimida, ferida e, apesar disso, determinada a marcar um encontro do cara com a tal fulana imaginária. Pra que? perguntei de novo. “pra ver a cara de idiota dele esperando ela por horas em um shopping”. E depois, perguntei. “Depois termino com ele”.

Ora, se o propósito é mesmo terminar com o canalha, não seria melhor ir logo ao assunto? Por que a vingança? O que ela ganhará com isso? nada além de minutos de satisfação (bem contestável). E depois, o que virá? Virá o sentimento de que fez papel de boba, que transou com ele  mesmo depois de saber que o mané trocava e-mails com sua amiga. Se sentirá usada e traída de qualquer forma.

Agora, responda-me, porque uma mulher inteligente se submete a isso? Muitas causas podem estar embutidas, mas acho que, neste caso, a vontade de ser mãe e ter uma família é tão grande que X. decidiu fechar os olhos e chegou a acreditar que o fulano “estava apenas fazendo reserva de mercado ao trocar mensagens com sua amiga, que jamais iria marcar um encontro com ela”. OK Ok, dia 24 de dezembro Papai Noel vai deixar um carro zero quilômetro na garagem lá de casa.

Já dei mil conselhos. Já disse para esquecer. Para deixar pra lá. Não adianta. A mulher está determinada a levar esta história até o fim. Já marcou até data: quinta-feira. O que fazer agora? Apenas esperar e dar colo na sexta. Amigos sevem para isso né.

Não gosto…

… de secretárias eletrônicas. Só hoje ouvi 6 recados atrasados no meu celular. Sei lá, me dá aflição. Gosto de falar na hora. Se não atendo é porque estou ocupado. Simples assim. O correto é a pessoa ligar depois. Na década de 80 e no começo da de 90 ninguém tinha celular e todos esperavam, com paciência, o momento correto de falar com parentes, amigos etc.. Se queriam conversar com suas avós, ligavam cedo para a casa delas. Se queriam conversar com um amigo, ligavam à noite, depois do horário do trabalho, antes da novela das 20, de preferência.

Hoje tem que ser tudo na hora. Socorroooo !!! Quero mais tempo livre. Tempo sem apurrinhações, sem gente no meu pé. Sei que algumas ligações são para coisas bacanas. Claudinha me ligou ontem, por exemplo, para me chamar para ir ao teatro. Não ouvi o cel tocar, estava na estrada voltando de Búzios. Uma pena, eu sei, mas ok, estava voltando de viagem, o que também é uma coisa bacana.

Sempre ouço pessoas reclamando da falta de tempo, do estresse, disso e daquilo. Mas vejo estas mesmas pessoas escravas de seus e-mails, celulares, secretárias eletrônicas. Ah! pelo amor de Deus. Quem nos dá estas amarras somos nós mesmos, já passou da hora de nos livrar delas. Estou meio rebelde, eu sei, mas quero um tempo só pra mim. Não tenho tido, acredite. Muito trabalho, muitas responsabilidades. E o tempo de coçar o saco que não tenho? Simplesmente sumiu. Eu quero ele de volta e, acredite, estou fazendo a minha parte para recuperá-lo.

Por que tudo isso? Pq simplesmente as coisas não podem permanecer como estão. Ontem, em Búzios, por volta das 16h meu humor ficou péssimo só de pensar na possibilidade da volta. Aquele tempo bom, relaxante, agradável ao lado de amigos queridos, estava acabando. Pensar em chegar em casa e assistir ao Fantástico. Que merda. Não há nada pior (sim, sei que a fome mundial e a pobreza, a guerra.. são piores, é só uma figura de linguaguem, ok?).

Quero meu tempo de volta e vou tê-lo !!! Estou de cabeça na campanha “Por uma vida mais simples e menos escrava das tecnologias”. Estou feliz por ter passado o finde longe dos meus e-mails, mesmo sabendo que poderia ler todos pelo celular. Fico feliz em não ter atendido as ligações, em ter deixado o aparelho desligado, ou melhor, funcionando apenas como máquina fotográfica. Cheguei a conclusão de que não preciso de mais tempo, só preciso usar melhor as 24 horas que papai dó céu me deu. Nada de perder tempo com gente/coisas que não valem à pena. E tenho dito.

Dia do Amigo

Freud dizia que não somos apenas o que pensamos ser. Somos mais. Somos também o que lembramos e aquilo de que nos esquecemos. Somos as palavras que trocamos, os enganos que cometemos, os impulsos a que cedemos “sem querer”. E completo: somos também o resultado dos bons e maus momentos que passamos ao lado de nossos amigos. As muitas risadas e ,claro, as lágrimas.  Sou muito feliz por ter dezenas de amigos. Alguns, só conheço pelo blog. Mas não faz mal, tá valendo também. Obrigada por tudo e FELIZ DIA DO AMIGO para todos !!!!!!!

PS: Adorei encontrar, por acaso, a leitora e amiga Drika na night de sábado. Fico aguardando nossa foto.

 

Bon voyage

Minha amiga Gabriela está partindo em algumas horas para Paris e nem conseguimos nos despedir. Minhas amigas estão me deixando :(, mas é por uma boa causa. Ok, eu sei que ela vai voltar. Bem, espero que ela aproveite bem a cidade luz. Queria muito estar na bagagem rs

Gabi, Bon voyage. Profitez de Paris. Profitez tout !!!!

Noite na Lapa

A noite na Lapa ontem foi mais do que especial. Claro, não poderia ter sido diferente, passei boas horas de papo com Liliane. Gentem, ela é minha amiga de infância, incrível né, minha amiga mais antiga e amiga mesmo. Muito bacana saber que ainda tenho contato com pessoas que me conheceram quando eu tinha 11, 12 ou 13 anos. Mais incrível ainda é constatar o quanto somos parecidas. Desde sempre.

Pensamos da mesma forma em diversos assuntos. Temos vidas semelhantes, inclusive. Assim como eu, ela também é a filha do meio entre 3 mulheres. Logo, viveu o drama do sanduíche na família. Incrível também a semelhança de nossos pais. Eles pensam da mesma forma. Estudamos no mesmo colégio de freiras. Ou seja, eu e Lili recebemos, praticamente, as mesmas informações. Não bastasse tudo isso, passamos por situações de vida similares. Como pode né?

É tão bom sentar numa mesa com uma amiga e concordar com tudo o que a pessoa fala. E mais, sentir-se acolhida até nos momentos de devaneios rs. Amiga, temos de fazer isso mais vezes. Amei. Hoje é dia de trocar info com outra amiga, a Fernandinha. Será tudo !! Adoroe stes encontros com a mulherada.