Para onde estamos indo?????

Para onde estamos indo?????

caminhos

O sentimento é o mais estranho possível.Revolta? Não. Decepção? Também não. É uma tristeza mesmo, uma melancolia, um sentimento de vazio. É assim que costumo me sentir todas as vezes que aposto em algo errado ou em alguém que eu prezava muito e que dá uma bela pisada na bola comigo. E, pode acreditar, não foram poucas as vezes em que isso aconteceu. Inclusive na família. E continua acontecendo. A impressão que tenho é que não há antídoto para este problema, não há defesa. Nem mesmo o tempo nos dá jogo de cintura para lidar com algumas situações.

Acho também que sou um pouco mestre na arte de escolher caminhos errados. Sim, há de ter alguma explicação plausível para tanto. Qual? Ainda não sei. Talvez descubra algo daqui a alguns anos.

A única certeza que tenho hoje é das coisas que realmente quero e do que é importante para mim. Sim, isso já é bastante, estou no caminho certo. O que preciso fazer? Arregaçar as mangas, fazer uma bela faxina em minha vida. É certo que já comecei este caminho. Longo, diga-se de passagem, mas um caminho extremamente necessário.

Daí você, que me lê com carinho, deve estar se perguntando: “Mas de que diabos a Renata está falando?” Quer mesmo saber? Bem, pouco importa. Motivos não me faltam, acredite. E você, leitor, também já deve ter passado por situações semelhantes, ter sentido o mesmo.

Sabe quando a gente é alvejado por tiro de todos os lados. Por isso, fica aqui apenas um momento de reflexão de que precisamos, cada vez mais, valorizar as pessoas que realmente nos amam. E falo aqui daquele amor incondicional. Do amor de quem nos respeita e nos admira pelo que a gente é e não pelo que tem ou pelo que aparenta ser. Eu aparento ser um tanto de coisas, eu sei, mas estou longe, bem longe, de ser o que a maioria pensa de mim.

Certamente passo mensagens erradas. Grande falha que tenho tentado corrigir (vai aparecer meia dúzia de amigas dizendo que estou fazendo uma avaliação errada sobre a minha pessoa, mas acho que estou sendo realista mesmo). É muito complicado, beirando os 39 anos de vida, ter que reaprender a ser gente, a falar, se posicionar, a agir e reagir a determinadas situações. Que impotência!! Que coisa estranha!!

Que mundo extremamente caótico e bipolar este em que vivemos. Cada vez mais pessoas matam por religião e até mesmo por um pretenso amor. Onde já seu viu… matar por amor?? Pois é, mas acontece. E há quem morra (se mate) pelo mesmo motivo. Não entendo, definitivamente, eu não entendo.

Há quem diga que o problema é a falta de religião. Mas essa é uma desculpa que não me desce, fica aqui, entalado na garganta mesmo. Vejo tantos pregadores por aí cometendo os maiores pecados, até mesmo sobre a vida. Está tudo fora da ordem.

Tenho muitos amigos perdidos também, que não gostam mais de seus trabalhos, de suas famílias, que pensam em mudar completamente o que fazem, alguns até já trilharam este caminho. Mas os problemas não são apenas de ordem financeira, de trabalho…

São crises existenciais. Vejo gente que não sabe para onde ir, olhar, não tem ideia do que fazer. Neste sentido, me sinto até privilegiada. Sei que estou no meio do tiroteio, mas sei de quem (e do que devo) me proteger.

Espero achar uma solução para meus problemas e espero que meus amigos também encontrem seus caminhos. Até porque, na maioria das vezes, a gente não sabe mesmo para onde está indo. Vamos, ao menos, curtir a viagem.

Zica Vírus e você. O que fazer?

Zica Vírus e você. O que fazer?

Não sei vocês, mas eu tenho medo do Zica Vírus. Sim, uso repelente, faço minha parte dom as plantinhas lá de casa, evito água parada. Mas e você? O que faz? Está evitando focos do mosquito? Tem usado repelente?

O meu medo específico do Zica é justamente saber que, por mais que eu faça, não tenho como estar 100% segura, não depende apenas de mim, mas da comunidade onde moro e dos lugares onde frequento. Não basta usar camisinha,não há nada que eu, como indivíduo, possa fazer que me garanta cobertura total contra esse vírus.

Tenho ainda minhas dúvidas sobre a relação da microcefalia com o Zica vírus. Li bastante a respeito e não estou convencida. Pode ser muita coisa, pode ser tudo ao mesmo tempo (vacina, vírus, agrotóxicos) e pode ser apenas genético. Estou na dúvida e me sinto mais perdida que cego em tiroteiro.

Por não ter filhos, o medo de engravidar neste momento é latente, mas acredito que, ainda mais grave, é a possibilidade de contrair a síndrome de Guillain-Barré, uma doença autoimune que leva à inflamação dos nervos e provoca fraqueza muscular. Infelizmente já vi uma pessoa com esta doença, com uma forma severa da doença, e posso afirmar que é um quadro bem triste.

A pessoa fica na cama, sem mexer um músculo, completamente paralisada. O tempo de recuperação? Varia de acordo com o paciente. E aí, já se imaginou assim, deitado em uma cama de hospital, revirando apenas os olhos? Horrível né? Já pensou que você pode ficar assim por causa da picada de um mosquito? Assustador. Apenas assustador. Por isso, caros, vamos reforçar o controle do vetor, vamos impedir a proliferação do mosquito  Aedes aegypt. 

zicaa

Feliz Ano Novo!!

Feliz Ano Novo!!

Feliz Ano Novo, cambada! Isso mesmo, o ano começou. E não apenas porque acabou o carnaval, mas os sábios chineses comemoram a chegada do ano novo lunar e o ano do macaco. O que isso significa ? Bem, para você, eu não sei, mas li bastante a respeito daquele que será o meu ano do macaco. Te contar que fiquei bem animada. Viva o ano do macaco!!!

Aliás, aproveitando a energia do ano novo, de novo, porque não pararmos para refletir um pouco sobre o que temos feito da nossa vida? Este carnaval foi frenético, não pela quantidade de blocos e folia a que fui, mas pelo tanto de informação que recebi. Soube de alguns babados, como diria o Ego, e fiquei de queixo caído. Não pelos babados, mas pelas reações das pessoas aos acontecimentos.

Juro que, por mais que tente, não consigo entender pessoas que semeiam a discórdia e esperam colher flores. Queridos, no máximo os espinhos. Depois, assisto a diversas publicações de lamentos nas redes sociais, sobretudo no Facebook. O que esse povo espera? Falam mal dos outros, fazem e acontecem, e, depois, quando os amigos viram as costas, decidem posar de santo na internet? De vítima? Gente, é hora de agir como maior de idade e assumir as atitudes que tem. Ninguém é idiota por muito tempo.

Falou mal dos outros? Ajudou a encobrir traições? Traiu? Agora, aguenta. Não adianta bancar o santo (a). É o que sempre digo, pode demorar, mais as máscaras sempre caem. A verdade aparece. Também não adianta colocar foto feliz na internet se a vida é uma bosta. Propaganda enganosa, uma hora, acaba por ser descoberta. Família margarina? Até quando? Feliz a todo segundo? Jura? #acordapravida.

Se estou dando o recado para alguém específico? Não. É pra uma galera mesmo, para o coletivo, porque a quantidade de sacanagem que tenho visto é tamanha, não dá para personificar em uma única pessoa. Reclama-se muito dos políticos, disso, daquilo, mas olhar para o próprio umbigo, cuidar da própria vida é diferente né, é dolorido, não é para todos, mas deveria.

Sim, você, cativo leitor, quer saber sobre o que exatamente estou falando, mas, por envolver menores de idade, me reservo o direito a não entrar em detalhes. Sem dúvida, os envolvidos, caso leiam este blog, irão se identificar.  Que o ano do macaco e esta energia de recomeço que paira no ar possam fazer com que as pessoas reflitam um pouco sobre o que ganham/perdem quando fazem mal aos outros. Na minha modesta opinião, não vale a pena. Não dá para ser feliz em cima da tristeza alheia, este é o tipo de felicidade que nunca quis, que nunca me interessou.

Não gosto de gente vazia, de gente que curte colocar lenha no fogo alheio. Cuidem das suas vidas. Se quiserem cuidar da minha ou de qualquer outro, agradeço,mas façam isso cuidando do nosso planeta. Cuidem dos bens comuns a todos e não da vida de A, B ou C. Olhem para dentro e façam algo pela coletividade. Sejam felizes. É de graça, não custa nada. Tentem! Feliz Ano Novo!

macaco 2

 

 

Das boas coisas da idade e o que eu queria de volta…

Das boas coisas da idade e o que eu queria de volta…

velas“O bom de ficar velho é que a gente fica com preguiça de sofrer”. A frase não é minha. Acabei de roubar de uma amiga, a querida Beatriz Azevedo, que também tem 37 anos e decidiu escrever sobre os benefícios da idade. São muitos, é verdade, e ela os lista aqui nesse texto. Ao fim, ela pede uma reflexão e pede para que a gente escreva sobre a nossa passagem, sobre o que ganhamos/perdemos com a idade.

Como disse lá, ganhamos e perdemos muito. Pelo menos foi assim comigo. Mesmo assim, não trocaria meus 37 pelos meus 27. Não queria estar na mesma casa, no mesmo emprego, com o mesmo marido. Também não queria ter a mesma aparência. Se pudesse, a única coisa que eu gostaria que o tempo me devolvesse são algumas pessoas. Isso mesmo, algumas. E bem poucas: meu pai, meus avós e alguns amigos que, apesar da pouca idade, também já partiram para outra dimensão.

Se tenho arrependimentos? Sim, claro. E acho que não seria mais feliz se não os tivesse. Eles fazem parte da vida e me tornaram este ser estranho que sou hoje rs. Mais cedo, bem antes de saber que a Beatriz escreveria sobre o tema, coloquei lá no meu twitter que, por vezes, gostaria de estar cinco anos à frente ou uns 20 anos atrás. Isso mesmo. Se existisse esta tal máquina do tempo, gostaria de fazer estas duas viagens.

Ir cinco anos à frente, ansiosa que sou, para saber se as escolhas que estou fazendo agora, no presente, vão resultar naquilo que desejo/espero. E voltar 20 anos para poder abraçar, conversar e contar causos com estas pessoas queridas e especiais que já partiram. Um sonho maravilhoso, eu sei, mas impossível. Uma pena.

Enquanto sonho com o impossível, vou vivendo, errando, aprendendo… e isso é maravilhoso. Se as escolhas que fiz agora não resultarem no que gostaria, paciência. Não será a primeira e, provavelmente, não será a última vez. Portanto, que venham novos erros, novos arrependimentos, novas lágrimas. O que eu quero é viver!