Itália – parte 2: Firenze

Sim, quem passa uma semana em Roma tem tempo de sobra para conhecer os melhores cantinhos da cidade e ainda dar um pulo em um lugar próximo. Foi o que fiz. Entre Veneza e Florença, escolhi a última. Os motivos são óbeveos: não rola ir pra Veneza sozinha né, vou deixar para conhecer com o meu gatinho em uma outra oportunidade.

Decidido o destino,  fui até Roma Termini e comprei nas máquinas de autoatendimento um tiquete de trem para Firenze, como eles chamam Florença. A viagem foi ótima, rápida, sem maiores problemas.

A capital da Toscana tem seu charme, mas, não sei se foi o frio e a chuva, sei lá, acho que falta um pouco de cor à Florença. Tudo muito bonito, muito ordenado, mas meio triste, achei. De todo o passeio, o grande destaque foi a Catedral de Santa Maria dei Fiore, conhecida apenas como DUOMO, a catedral mais bela que já visitei na vida, sem dúvida. Cheia de detalhes, de cor, de vida.

A mais bela igreja por mim visitada: DUOMO

Gigantesca, majestosa, revestida com mármore verde, rosa e branco, a igreja levou quase 2 séculos para ser construída e é a 4ª maior catedral do mundo. Vale muiiiito a pena visitar.

Também visitei a Santa Cruce, mas é até maldade entrar em qualquer outra igreja depois de sair do DUOMO. O melhor da Santa Cruce, que guarda 276 sepulturas de nomes imortais das artes, é poder rezar no túmulo de Michelangelo, Dante e Galileo.

Na Ponte Vecchio

A Ponte Vecchio (Velha Ponte), de 1345, a mais antiga da cidade, tem um charme especial, é verdade, mas lojinha de prata e outro também tem na SAARA aqui no Rio. Sei lá, achei Roma mais interessante. O almoço no Ristorante Totó até que foi bacana, mas podia vir mais comida no prato rs.

PS: OK OK o frio de matar deve ter alterado minha percepção da cidade. Prometo voltar na primavera para ter outro olhar.

 

Anúncios